Rajoy afirma que acusações de corrupção são falsas

O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, negou neste sábado ter recebido recursos não declarados e anunciou que vai apresentar suas declarações de renda e detalhes completos sobre seus bens, na resposta mais enfática já dada a alegações de pagamentos secretos feitos a líderes de seu Partido Popular (PP).

AE, Agência Estado

02 de fevereiro de 2013 | 14h25

Em reunião de emergência, Rajoy prometeu "máxima transparência" ao lidar com um escândalo de corrupção que abalou o PP e seu governo, dois dias depois de o jornal El País publicar que ele e várias outras lideranças do partido receberam regularmente pagamentos não declarados entre 1997 e 2008 por meio de uma espécie de caixa 2 administrada por um ex-tesoureiro do grupo político.

"Isso é mentira", disse o normalmente contido Rajoy, ao falar a colegas do partido e em rede nacional de televisão. "Nunca, eu repito, nunca recebi dinheiro não declarado deste partido político...tudo que foi dito e todas as insinuações são falsas."

O El País publicou o que descreveu como trechos manuscritos dos livros de contabilidade do ex-tesoureiro, mostrando supostos pagamentos a Rajoy que totalizaram em média 25.200 euros (US$ 34.189) anualmente ao longo do período de 11 anos. O jornal disse que pretende publicar neste domingo a versão completa dos livros, que revelará também pagamentos a outros líderes do partido.

Nas últimas semanas, jornais espanhóis publicaram que o caixa do PP recebeu centenas de milhares de euros a partir de meados da década de 1990, sendo que parte do dinheiro veio de executivos do setor de construção e outros empresários com interesse em obter contratos do governo.

Apesar da negativa de Rajoy, o escândalo ameaça minar a reputação do atual governo, num momento em que Madri pede à população que tolere violentos cortes de gastos e medidas de austeridade que têm como objetivo reverter um grande déficit fiscal e encerrar uma longa recessão que já deixou 26% da força de trabalho desempregada.

O premiê reconheceu hoje que os espanhóis merecem que sejam afastadas "quaisquer dúvidas sobre a conduta" do governo e seu partido anunciou o resultado de uma auditoria interna, segundo a qual não foram encontradas irregularidades.

Rajoy liderou o conservador PP entre 2004 e 2011, quando foi eleito primeiro-ministro, pondo fim a oito ano de governo dos socialistas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RajoyEspanhacorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.