Reuters
Reuters

Ramificação da Al-Qaeda ameaça refém americano

"Basicamente eu estou procurando por qualquer ajuda que possa me tirar dessa situação. Estou certo de que a minha vida está em perigo. Então, eu me peço que se alguma coisa pode ser feita, por favor, façam. Muito obrigado", afirmou Somers em vídeo

O Estado de S. Paulo

04 de dezembro de 2014 | 18h45

Uma ramificação da Al-Qaeda no Iêmen ameaçou um refém americano sequestrado há mais de um ano e deu a Washington três dias para atender demandas não especificadas em um novo vídeo divulgado nesta quinta-feira.

O refém, identificado como Luke Somers, de 33 anos, é um fotojornalista americano nascido na Grã-Bretanha. Ele foi apresentado pela primeira vez no vídeo postado na conta do Twitter da ramificação da Al-Qaeda. No vídeo de 3 minutos, Somers dá uma breve declaração em inglês, em que pede ajuda. "Basicamente eu estou procurando por qualquer ajuda que possa me tirar dessa situação. Estou certo de que a minha vida está em perigo. Então, eu me peço que se alguma coisa pode ser feita, por favor, façam. Muito obrigado", afirmou o refém.

Somers foi sequestrado em setembro de 2013 em uma rua da capital do Iêmen, Sanaa, onde trabalhava como freelancer para o jornal Iêmen Times. Desde sua captura, jornalistas têm protestado para pressionar o governo sobre sua libertação.

Provavelmente, o americano estava entre um grupo de reféns que eram alvo de uma missão de resgate conjunta entre as forças de operações norte-americanas e as tropas iemenitas realizada em novembro. A missão libertou oito pessoas em uma área remota de dunas chamada Hagr Al Saiaar, próxima à fronteira saudita, na província de Hadramawt. Na época, um oficial do Iêmen afirmou que a missão falhou no resgate de cinco outros reféns.

Antes do depoimento de Somers, o comandante local da Al-Qaeda, Nasser Bin Ali Al-Ansi, comenta no vídeo, em árabe, sobre "crimes americanos contra o mundo muçulmano". Ele criticou os ataques liderados pelos EUA contra o grupo extremista Estado Islâmico e alertou os americanos contra atos de "estupidez", em referência a futuras tentativas de resgate de reféns. Al-Ansi deu aos EUA três dias para cumprir as demandas da Al-Qaeda, ou "o refém americano vai conhecer seu inevitável destino". Ele não especificou as exigências, mas afirmou que Washington está ciente delas.

Também nesta quinta-feira, oficiais de segurança do Iêmen afirmaram que um corpo de um refém iemenita sequestrado junto com Somers foi encontrado no distrito de Al-Qatn, em Hadramawt, na noite de quarta-feira. O homem foi identificado como Rashid Al-Habshi. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IêmenEUAAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.