Ramos Horta pede que rebeldes timorenses entreguem armas

O primeiro-ministro timorense, José Ramos Horta, pediu neste sábado aos líderes dos protestos que afundaram o Timor Leste no caos em maio que entreguem as armas que ainda estão em seu poder. "Para evitar o derramamento de sangue no futuro, peço que cedam à Unpol (força internacional sob comando das Nações Unidas) as armas que ainda estejam em seu poder", declarou o governante timorense, durante um fórum nacional, em Díli. Horta afirmou que recebeu informação segura de que o major Alfredo Reinado, um dos militares que lideraram a insurreição, e o ex-guerrilheiro Vicente da Conceição ainda possuem armas automáticas. "As tropas internacionais agirão com o maior rigor se os seus grupos se recusarem a entregar as armas", ameaçou o prêmio Nobel da Paz de 1996. Conceição rejeitou as acusações e garantiu que seu grupo entregou todas as armas às tropas internacionais, na presença do próprio primeiro-ministro. "Respeito Horta por seus esforços em nossa luta contra a Indonésia, mas ele não tem a vontade política para resolver os problemas do país, e ainda me acusa de fugir da justiça e de ter armas, sem provas", disse o ex-guerrilheiro. Conceição também acusou o ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri de fornecer armas a um grupo comandado por ele para eliminar rivais políticos do antigo Governo.

Agencia Estado,

11 Novembro 2006 | 06h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.