Rangun amanhece sob vigilância policial e militar

Presença militar é maior no centro velho da antiga capital e no pagode de Shwedagon

Efe,

04 de outubro de 2007 | 04h57

As ruas de Rangun, a principal cidade birmanesa e palco das maiores manifestações contra a Junta Militar, amanheceu nesta quinta-feira, 4, vigiada por patrulhas militares. Veja também:Vídeo da CNN com as imagens  População apóia protesto dos monges Corpo do fotógrafo morto em Mianmá chega ao JapãoJunta militar liberta grupo de mongesUE aprova sanções contra regime militarEntenda a crise e o protesto dos monges Dissidentes cibernéticos driblam censura   Segundo os meios de imprensa da dissidência no exílio, a presença militar é especialmente ostensiva no centro velho da antiga capital e em um de seus centros espirituais, o grande pagode de Shwedagon. O desdobramento militar desta quinta-feira acontece uma semana depois que Rangun viveu o dia mais sangrento desde que os monges budistas lideraram os protestos para exigir a democratização do país. O saldo foi de dez mortos pela ação dos soldados, incluindo um fotógrafo japonês. Na quarta-feira, testemunhas e fontes da dissidência denunciaram que famílias inteiras foram tiradas de suas casas pelos soldados na parte antiga de Rangun e conduzidas em caminhões para um destino desconhecido.

Tudo o que sabemos sobre:
MianmáRangunprotestomonges

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.