Rapazes sul-africanos morrem em ritual de passagem

Cinco garotos com idades entre 13 e 15 anos foram encontrados mortos, hoje, depois de participarem de um ritual de circuncisão nos arredores de Heidelberg, na África do Sul. Segundo informações da polícia local, há três semanas um grupo de adolescentes partiu para as montanhas para participar de um rito de passagem. Outros 18 jovens que estavam desaparecidos foram encontrados com ferimentos e levados a um hospital próximo. A polícia informou que os sobreviventes estavam em estado choque e não sobreviveriam mais um dia. "Se eles não fossem tratados logo, tenho certeza que estariam mortos", afirmou Terrance Niemach, chefe do serviço de emergência do hospital de Heidelberg. De acordo com a porta-voz da polícia local, Annaline Prinsloo, não ficou imediatamente claro como os cinco rapazes morreram, mas quatro deles tinham hematomas nas costas e dois estavam com infecções relacionadas à circuncisão. A polícia está questionando quatro homens que participaram do retiro como guias. Um deles, diretamente ligado ao ritual, afirmou que os meninos apanharam até morrer.Os jovens pertenciam aos grupos étnicos sul-africanos xhosa e sotho. É comum em muitas sociedades africanas os jovens passarem algum tempo em escolas de iniciação, onde se submetem a vários rituais para fazer a passagem ao mundo adulto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.