Rastafáris pedem indenização pela escravidão

Uma coalizão de grupos rastafáris da Jamaica disse que pretende se apresentar diante da ONU para pressionar os países europeus a pagar uma indenização de bilhões de dólares por causa dos séculos de escravidão. A Nação Rastafári da Jamaica disse que os países europeus que estiveram envolvidos com a escravidão, em especial a Grã-Bretanha, devem pagar 72,5 bilhões de libras esterlinas (US$ 129 bilhões) para indenizar meio milhão de rastafáris jamaicanos e africanos."É uma questão de direitos humanos e de justiça por um crime cometido há 300 anos e cujas repercussões são sentidas ainda hoje", disse Barbara Makeda Bake-Hannah, membro do grupo. Mais de 90% dos 2,6 milhões de jamaicanos são descendentes de escravos africanos, mas não se sabe quantos deles são rastafáris. A coalizão de seis grupos rastafári apresentou o pedido de indenização e a quantia calculada em uma coletiva de imprensa em Kingston, durante o fim de semana. "Acreditamos que é uma quantia muito pequena, especialmente quando considerado quanto dinheiro custa a guerra do Iraque", disse Hanna-Blake. A escravidão foi abolida na Jamaica em 1º de agosto de 1834.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.