Ratificação do Start é crucial para segurança dos EUA, diz Obama

Acordo é importante para manter apoio russo às sanções ao Irã e à guerra ao Taleban

estadão.com.br,

18 de novembro de 2010 | 15h53

Obama recebe Kissinger e Albright na Casa Branca. Foto: Dennis Brack/Efe

WASHINGTON  - O presidente americano, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, 18, que a ratificação no Senado do acordo de redução de arsenal nuclear com a Rússia é crucial para a segurança nacional americana. Obama quer o acordo em vigor até o final do ano.

Veja também:

especialAs armas e ambições das potências nucleares

O governo americano lançou nesta semana uma ofensiva pública pela ratificação do Acordo para Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês). O vice-presidente Joe Biden e a secretária de Estado Hillary Clinton já haviam pedido a aprovação no Senado. Hoje, Obama foi a público.

"Isto não é política. É uma questão de segurança nacional que não pode ser postergada. Os presidentes Regan, Bush, Clinton e W. Bush também buscaram a redução de arsenal nuclear", disse Obama, ao lado de ex-secretários de Estado republicanos e democratas, como Henry Kissinger, James Baker e Madeleine Albright.

Para a Casa Branca, o acordo também é importante para manter o apoio russo às sanções ao Irã e rotas de abastecimento para tropas no Afeganistão.

 

Obama quer aprovar o tratado antes que a nova bancada, na qual os democratas terão seis assentos a menos, tome posse. Na atual legislatura, o governo precisa do apoio de sete republicanos. O tratado precisa de 67 votos para ser aprovado no Senado.

No começo desta semana, a aprovação pelo Senado pareceu em risco, quando o senador Jon Kyl (republicano pelo Arizona) disse que não haveria tempo suficiente para aprovar o acordo ainda em 2010.

Kyl é visto como muito importante para a aprovação, uma vez que é um republicano líder nas questões de armamentos e segurança exterior no Senado. Além disso, o número de senadores democratas será reduzido no novo Congresso que toma posse em janeiro de 2011.

O republicano disse que deseja garantir que o arsenal nuclear norte-americano seja modernizado antes da votação do tratado com a Rússia e Obama concordou, ao dizer que está pronto a gastar bilhões de dólares para atualizar as armas atômicas dos EUA.

Para conquistar o apoio dos republicanos, a Casa Branca planeja investir 4,1 US$ bilhões em modernização do arsenal nuclear em cinco anos. O novo Start, que substituirá o antigo, de 1991, prevê a redução em um terço do arsenal das potências nucleares.

 

Com AP e Efe

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUAacordonuclearRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.