Raúl Castro diz que aceitaria se reunir com Obama

O presidente cubano, Raúl Castro, afirmou em entrevista divulgada ontem que aceitaria se reunir com o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama. Castro apontou que o encontro deveria acontecer em "terreno neutro" e sugeriu a base norte-americana instalada na Baía de Guantánamo. O líder cubano fez a proposta em entrevista ao ator Sean Penn, publicada pela revista The Nation. A entrevista foi divulgada pelo site da revista, que circulará a partir de 15 de dezembro.Penn perguntou a Castro se ele se encontraria com Obama em Washington. O cubano disse que "pensaria", mas que não seria justo para nenhum lado ter que ir ao território do outro. Por isso sugeriu Guantánamo. "Devemos reunir-nos e começar a resolver nossos problemas." Cuba aluga a área da base aos norte-americanos, sob um antigo acordo.Segundo Castro, o foco principal desse encontro seria normalizar as relações comerciais entre os países e encerrar o embargo dos EUA à Cuba. "A única razão do bloqueio é nos prejudicar", apontou. Os EUA mantêm o embargo há cinco décadas.Castro também defendeu o livre trânsito de pessoas entre os países. Obama já adiantou que deve diminuir as restrições de viagens e em relação a remessas de dinheiro. Com o endurecimento implementado pelo presidente George W. Bush, os cubano-americanos podem visitar seu país de origem apenas uma vez a cada três anos. Porém, Obama também disse que espera a libertação de todos os presos políticos de Cuba, para normalizar as relações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.