EFE/Cortesía Prensa Miraflores
EFE/Cortesía Prensa Miraflores

Reação da UE é 'deplorável', diz Maduro sobre suposto atentado

Nota do bloco europeu divulgada na sexta-feira, 10, exigiu 'investigações transparentes' que envolvam 'retorno à normalidade constitucional e restabeleça o processo democrático'

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2018 | 04h25

CARACAS - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, classificou como "deplorável" o comunicado da União Europeia emitido na última sexta-feira, 10, exigindo uma "investigação exaustiva e transparente" do suposto atentado com drones explosivos.

"É verdadeiramente deplorável o comunicado da União Europeia. No seu comunicado, protegem terroristas e não são capazes de condenar o atentado que tinha como objetivo assassinar o presidente deste país", disse Maduro, em discurso à nação transmitido em todas as emissoras de rádio e televisão neste sábado, 11.

Na última sexta-feira, o gabinete da Alta Representante da UE para Política Externa, Federica Mogherini, divulgou nota sobre o suposto ataque contra Maduro exigindo uma investigação "para esclarecer os fatos, em respeito ao Estado de direito e aos direitos humanos". 

O bloco, no entanto, não apontou suspeitos ou condenou a oposição a Maduro, considerada pelo governo venezuelano os responsáveis pelo atentado.

"Isto deve envolver um retorno à normalidade constitucional que restabeleça o processo democrático e o estado de direito, o respeito aos direitos e às liberdades fundamentais, a libertação de todos os presos políticos e a atenção às necessidades humanitárias da população", disse um porta-voz de Mogherini.

Logo após a divulgação do comunicado, Maduro questionou a resposta e insistiu que o ataque "poderia ter atingido o assassinato em massa das mais altas autoridades civis e militares" da Venezuela. O governo conduz as investigações e acusa dois líderes da oposição, Juan Requesens e Juan Borges, e o ex-presidente colombiano, Juan Manuel Santos, de orquestrarem o suposto atentado. //EFE, AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.