Reagan advertiu contra 'humilhação' de Buenos Aires

Preocupado com uma repercussão negativa da Guerra das Malvinas no Brasil e na América Latina, o então presidente americano, Ronaldo Reagan, apelou aos britânicos que negociassem um tratado de paz com a Argentina, forjassem uma boa relação com o Brasil e "não humilhassem" Buenos Aires, sob o risco de ver a influência soviética se alastrar pela região. A informação faz parte das milhares de páginas divulgadas ontem pelo National Archives, de Londres.

O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2012 | 02h03

O apelo mais firme foi feito em um telegrama de 1º de junho de 1982, quando Reagan pediu à Grã-Bretanha que evitasse fazer os argentinos "reféns do futuro" em caso de uma derrota total. O americano também sugeriu que o Brasil fosse envolvido em uma solução política e chegou a propor a criação de uma missão de paz liderada por brasileiros e americanos. No entanto, a Casa Branca deixou claro aos britânicos que o Brasil recusaria uma rendição "incondicional e humilhante" dos argentinos.

Numa carta do dia 5 de maio, a Casa Branca apelava à premiê Margaret Thatcher que considerasse uma saída negociada para o conflito. Assinada por "Ron" (Ronald Reagan), a mensagem do presidente pedia que uma solução diplomática fosse encontrada o quanto antes. / J. C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.