Prensa Miraflores/EFE
Prensa Miraflores/EFE

Reaproximação entre EUA e Venezuela teria pouco efeito prático no mercado de petróleo

A crescente influência da Rússia no hemisfério e um aumento nos preços do petróleo após a invasão da Ucrânia levaram a pedidos de negociações

Americas Quarterly, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 17h00

Em 5 de março, surgiram notícias de que altos funcionários do governo Biden haviam desembarcado em Caracas para se reunir com colegas do governo de Nicolás Maduro. Os Estados Unidos romperam relações diplomáticas com a Venezuela em 2019 e reconhecem a reivindicação do líder da oposição Juan Guaidó à presidência.

A AQ pediu aos observadores que compartilhassem sua reação à visita e seus pensamentos sobre o que está por vir para as relações diplomáticas e a influência da Rússia no hemisfério.

Francisco Monaldi, Fellow e Diretor do Programa Latino-Americano de Energia do Instituto Baker de Políticas Públicas da Rice University:

O relaxamento das sanções petrolíferas à Venezuela pode aliviar a “crise do petróleo” provocada pela invasão da Ucrânia pela Rússia? No curto prazo, não teria nenhum efeito relevante no mercado mundial de petróleo, mas talvez pudesse ajudar algumas refinarias no Golfo do México dos EUA a substituir as importações de petróleo russas.

A Venezuela produz menos de 800 mil barris por dia (bpd) e tem pouco potencial de produção remanescente, portanto, nos próximos meses, seria desafiador superar de forma sustentável 1 milhão de bpd. A Rússia produz 11 milhões de bpd e exporta mais de 7 milhões de bpd. Assim, a produção adicional da Venezuela seria irrelevante para compensar uma grande interrupção das exportações russas.

No entanto, quando o petróleo venezuelano foi banido dos EUA, as exportações russas capturaram a maior parte do mercado deixado pelo petróleo pesado da Venezuela, principalmente na região do Golfo. Assim, redirecionar as exportações de petróleo venezuelano para os EUA a partir dos mercados chineses poderia ajudar a aliviar as dificuldades enfrentadas pelas refinarias dos EUA para substituir as atuais importações russas. Isso também forneceria uma justificativa para estender as licenças à Chevron e outras empresas ocidentais para exportar petróleo da Venezuela, viabilizando suas operações no país. Isso importaria para o preço que os consumidores americanos pagam na bomba? Muito pouco.

Se as sanções impactarem as exportações de petróleo da Rússia por um período prolongado, a Venezuela poderia se tornar uma importante fonte de diversificação da oferta, mas dependeria muito do ambiente institucional do país.

Sob as condições certas, a Venezuela poderia adicionar cerca de 2 milhões de bpd (ou cerca de 2% da oferta mundial) em cerca de 5 anos. Isso exigiria um investimento maciço de mais de US$ 12 bilhões (R$ 60 bilhões) por ano, o que, no atual ambiente de investimento (e do governo), dificilmente se materializará.

Mesmo com uma mudança na lei de hidrocarbonetos, permitindo que as empresas petrolíferas ocidentais tenham participação majoritária e controle operacional, os riscos acima do solo, a falta de credibilidade e o colapso da capacidade do Estado podem se mostrar obstáculos muito significativos. Se os EUA querem um fornecedor de petróleo confiável de longo prazo, com vastas reservas, no hemisfério, teriam que ocorrer mudanças institucionais e políticas.

Para Entender

Entenda a crise entre Rússia e Otan na Ucrânia

O que começou como uma troca de acusações, em novembro do ano passado, evoluiu para uma crise internacional com mobilização de tropas e de esforços diplomáticos

Maryhen Jiménez, PhD, pesquisadora associada de pós-doutorado no Centro Latino-Americano da Universidade de Oxford:

Os EUA têm mais uma grande oportunidade de “fazer um caso para o Ocidente” na Venezuela. O enfraquecimento da influência da Rússia na América Latina exigirá persuasão inteligente e incentivos poderosos, idealmente com apoio bipartidário para que seja sustentável.

Além de quaisquer potenciais interesses econômicos no futuro, o atual contexto geopolítico permite que os EUA e outros aliados ocidentais cortem a dependência da Venezuela de autocracias estrangeiras e reinsira o país nas relações econômicas e políticas ocidentais. Restam duas perguntas. Primeiro, esta reunião de alto nível pode ajudar os atores a retomar as negociações? Em segundo lugar, ambos os países podem retomar as relações diplomáticas para beneficiar os cidadãos? Se o fizerem, os EUA precisam se concentrar em um roteiro claro que inclua etapas claras de liberalização e assistência humanitária.

Eric Farnsworth, vice-presidente do Conselho das Américas:

O contexto para esta viagem era bastante claro: inflação dos EUA em níveis históricos, uma guerra terrestre europeia para conter e preços do gás que poderiam contribuir para um aniquilamento eleitoral de médio prazo e destruir grande parte da agenda doméstica do presidente Biden. Quanto às negociações em si, os benefícios potenciais de um avanço são significativos, especialmente porque a Venezuela possui as maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo.

Mas a probabilidade de uma acomodação bilateral é praticamente inexistente. Claro que havia as exigências maximalistas obrigatórias de ambos os lados, uma dança performática com poucas chances de sucesso. Os relatórios indicam que estes incluíram, dos Estados Unidos, eleições livres e justas e a libertação de prisioneiros políticos, incluindo cidadãos dos EUA reféns do regime.

Por outro lado, uma demanda por alívio total das sanções. Na realidade, porém, esta rápida entrada e saída para a Venezuela vem com um preço alto. Imediatamente, os Estados Unidos retornaram à diplomacia transacional tão vilipendiada por muitos observadores durante os anos Trump.

Mais precisamente, a ótica de viajar a Caracas para buscar mais hidrocarbonetos de um ditador brutal indiciado pelo Departamento de Justiça dos EUA e sob investigação em Haia fortalece Maduro e também pode ser tudo o que é necessário para convencer os observadores de que, no final, realmente tem tudo a ver com petróleo e não com democracia.

De fato, o presidente interino Juan Guaidó, reconhecido por Washington como o líder legítimo da Venezuela, foi mantido no escuro. Se Washington agora busca acomodação com o regime de Maduro, talvez de forma temporária, mas indefinida, por que alguém, incluindo aliados regionais e europeus, correria riscos para buscar uma restauração democrática na Venezuela?

E o fato é que os Estados Unidos não exigem petróleo venezuelano, mesmo que Washington institua um embargo total. A maior parte do petróleo russo irá para a China e a Índia, provavelmente com desconto, mas não ficará muito tempo fora dos mercados globais.

Preços mais altos induzirão a mais produção global, incluindo a doméstica dos EUA e a saudita, que pode entrar em operação rapidamente. Depósitos maciços de petróleo canadense também estão disponíveis e, apesar da aba do oleoduto Keystone XL, não são mais sujos ou piores para o meio ambiente do que o petróleo pesado e sujo da Venezuela.

Por outro lado, o petróleo venezuelano, produto de uma indústria nacional decrépita, exigiria muitos meses, bilhões de dólares, plataformas de perfuração escassas e um número crescente de engenheiros de petróleo para aumentar de maneira significativa, ao mesmo tempo em que o resto do mundo estará buscando o mesmo. Tudo isso resulta em uma aposta curiosa e arriscada da Casa Branca por uma mercadoria que os Estados Unidos nem sequer precisam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.