Reaproximação está 'perto', dizem turcos e armênios

A Armênia e a Turquia disseram estar "perto" de restaurar relações diplomáticas integrais, após anos de divergências sobre o genocídio contra armênios cometido pelo Império Otomano. A Turquia, um membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), e a Armênia, uma ex-república soviética, também esperam reabrir sua fronteira, fechada desde 1993. A meta é encorajada por União Europeia e Estados Unidos. "Nós poderíamos estar muito perto de resolver esse assunto em um futuro próximo", disse o ministro de Relações Exteriores armênio, Edward Nalbandian, após conversas com seu colega turco, Ali Babacan, durante uma conferência econômica do Mar Negro em Yerevan.

AE-AP, Agencia Estado

16 de abril de 2009 | 18h11

Babacan disse que os líderes turcos querem uma solução abrangente e a "completa normalização" dos laços, segundo comentários transmitidos na emissora turca NTV, após ele retornar a Ancara. Os dois lados afirmaram que houve progressos durante as conversas de hoje. Porém ninguém falou como seria resolvido o principal ponto de discórdia: a alegação da Armênia de que as mortes da era Otomana de armênios configuraram um genocídio.

A Turquia contesta essa afirmação, alegando que não houve uma campanha sistemática para acabar com os armênios. As estimativas, porém, apontam que 1,5 milhão de armênios morreram, no que é visto pela maioria dos especialistas como o primeiro genocídio do século 20. Os dois países também divergem sobre o enclave de Nagorno-Karabakh, controlado pela Armênia após uma guerra de seis anos irromper nos últimos dias da União Soviética.

A Turquia quer que as negociações com a Armênia prossigam em paralelo com as negociações entre Armênia e Azerbaijão, um aliado turco. O Azerbaijão quer a posse do enclave. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pede que os países resolvam suas diferenças. Na campanha eleitoral, Obama usou a expressão "genocídio armênio", mas não a repetiu durante visita recente à Turquia, apenas dizendo que sua opinião sobre o tema já estava registrada.

Mais conteúdo sobre:
ArmêniaTurquiadiplomacia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.