Rearmamento da Austrália é ameaça direta, diz Fiji

Camberra afirma que reforço da marinha é para enviar tropas a qualquer país da região

Agencia Estado

25 Junho 2007 | 16h08

O Exército de Fiji afirma que a soberania do país está ameaçada pelo rearmamento militar da Austrália, que na semana passada anunciou que reforçará a marinha com cinco navios. A denúncia foi feita nesta segunda-feira, 25. Em declarações ao jornal Fiji Times, o comandante do Exército, Pita Driti, disse que o rearmamento poderia permitir à Austrália realizar ataques aéreos e invadir o arquipélago de Fiji no futuro. O militar disse que os planos de Camberra de aumentar os equipamentos militares datam de dezembro, quando o então primeiro-ministro, Laisenia Qarase, pediu a intervenção australiana para responder ao golpe militar em Fiji. Driti assegurou que, se tivesse equipamentos militares adequados, a Austrália teria atendido ao apelo de Qarase, que acabou derrubado pelo chefe das Forças Armadas fijianas e atual primeiro-ministro, Frank Bainimarama. Na época, o primeiro-ministro australiano, John Howard, declarou que Qarase pediu "uma intervenção militar australiana para reagir ao golpe de Estado". O governo australiano reconheceu que está reforçando seus equipamentos militares para responder a diversas contingências, que incluem enviar tropas a qualquer país da região e ajudar em tarefas de coordenação de desastres. Na semana passada, Howard declarou que essas contingências serão atendidas após dois contratos fechados para construir três fragatas F-100 e dois navios anfíbios por US$ 9,3 milhões no total. A Austrália e a Nova Zelândia apostaram em assumir a segurança na região do Pacífico, o que provocou receios dentro do governo militar de Fiji. Há duas semanas, Fiji expulsou do país o Alto Comissário da Nova Zelândia, Michael Green, após acusá-lo de apoiar uma conspiração contra-golpista.

Mais conteúdo sobre:
Austrália rearmamento Fiji

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.