Reativação da economia é destaque no discurso de Bush

A possível ofensiva contra o Iraque tomou a maior parte do tempo do discurso anual sobre o Estado da Nação do presidente norte-americano, George W. Bush, na madrugada desta quarta-feira, horário de Brasília, em Washington. Mas o discurso também tratou de outras questões como a clonagem, bioterrorismo, meio-ambiente, crise da Coréia do Norte e a economia.Sobre a economia, Bush assegurou que seu novo plano econômico, que prevê a injeção de US$ 674 bilhões, é a saída para impulsionar o crescimento da economia norte-americana, que passa por uma crise de desconfiança dos investidores e uma lenta recuperação. A taxa de desemprego é de 6%. O presidente disse que o plano ajudará a economia do país a recuperar sua força. ?A economia cresce quando os norte-americanos têm mais dinheiro para gastar e investir, e a forma mais justa é, em primeiro lugar, não taxa-lo?. Entre as propostas de Bush está a eliminação dos impostos sobre o lucro dos investidores e a aprovação de um aumento de US$ 400 por filho no crédito fiscal para as famílias. ?Temos que ter uma economia que cresça rapidamente para empregarmos qualquer homem ou mulher que procure emprego?, disse Bush. ?O desafio interno que os Estados Unidos enfrentam é tão importante quanto o que temos no exterior. Não vamos ignorar nossos problemas, mas sim enfrenta-los com inteligência, clareza e coragem.? Ainda sobre a política interior, a reforma do sistema de assistência de saúde para os aposentados (Medicar) foi um ponto comentado por Bush. Para ele, o investimento de US$ 400 bilhões nos próximos dez anos é primordial para diminuir um déficit de 40 milhões de pessoas que não têm cobertura médica.Bush pediu ao Congresso que proíba todos os tipos de clonagem, incluindo a que produz células para a pesquisa de tratamentos de doenças, "porque nenhuma vida humana deve começar ou terminar como o objetivo de uma experiência". Para os ecologistas, o presidente disse que destinará US$1,2 bilhão para o desenvolvimento de automóveis movidos a pilha de combustível, um inovador sistema de propulsão que utiliza hidrogênio como combustível. Chantagem - Bush deixou claro a posição norte-americana diante do impasse das armas nucleares com a Coréia do Norte. ?Os Estados Unidos e o mundo não serão submetidos a chantagem. Estamos, junto com países da região, tentando encontrar uma solução pacífica para o impasse e mostrar ao governo norte-coreano que as armas nucleares só trarão isolamento, recessão econômica e a continuação das dificuldades para o povo norte-coreano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.