Reator 1 de Fukushima será coberto com lâminas de poliéster

Além de prevenir a propagação das substâncias radioativas, o plano também procura evitar que as precipitações alaguem ainda mais os recintos dos reatores 1, 3 e 4

Efe,

15 de junho de 2011 | 05h11

TÓQUIO - A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina nuclear de Fukushima, começará neste mês a cobrir o edifício do reator 1 da central com lâminas de poliéster para tentar evitar que mais substâncias radioativas se dispersem.

 

A empresa planeja realizar a mesma operação nos edifícios das unidades 3 e 4, embora ainda não tenha dado datas específicas para isso, informa nesta quarta-feira, 15, a emissora japonesa NHK.

 

Além de prevenir a propagação das substâncias radioativas, o plano também procura evitar que as precipitações alaguem ainda mais os recintos dos reatores 1, 3 e 4, gravemente danificados por explosões após o terremoto de 11 de março.

 

A Tepco anunciou que as lâminas, de aproximadamente um milímetro de espessura, serão acopladas à estrutura de aço do edifício do reator 1, de 54 metros de altura.

A previsão é que a operação seja finalizada no fim de setembro, segundo a NHK.

 

Por outro lado, a Tepco informou que um novo sistema que começou a testar na terça-feira para descontaminar a água radioativa da usina parece funcionar com sucesso.

 

Após os primeiros testes, os técnicos comprovaram que o nível de césio 134 da água depois do tratamento era 2.900 vezes inferior, enquanto o de césio 137 tinha diminuído 3.300 vezes, indicou a emissora pública japonesa.

 

O sistema deverá ser iniciado na sexta-feira a fim de descontaminar as mais de 105 mil toneladas de água radioativa acumuladas nas instalações de Fukushima Daiichi.

 

O tratamento da água representa um importante passo nos trabalhos para controlar a central, já que a elevada radioatividade do líquido impede a passagem dos trabalhadores a várias zonas.

 

A Tepco espera poder levar os reatores de Fukushima ao estado de parada fria até janeiro de 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
Japão, Fukushima, usina, terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.