Reator norte-coreano pode resultar em bomba de plutônio

O governo da Coreia do Norte prometeu nesta terça-feira reativar um reator nuclear que pode produzir uma bomba de plutônio por ano, intensificando as tensões já elevadas em razão das ameaças quase diárias contra os Estados Unidos e a Coreia do Sul.

Agência Estado

02 de abril de 2013 | 08h49

O reator de plutônio foi fechado em 2007 como parte das negociações internacionais de desarmamento, paralisadas desde então. A declaração da retomada da produção de plutônio - o combustível mais comum em armas nucleares - e de outras instalações do complexo nuclear de Nyongbyon deve elevar os temores de Washington e seus aliados a respeito do tempo que a Coreia do Norte vai levar para construir um míssil com um ogiva nuclear que possa chegar aos Estados Unidos, tecnologia que, acredita-se, o país ainda não possua.

Um porta-voz do Departamento Geral de Energia Atômica norte-coreano disse que cientistas iniciarão o trabalho numa instalação de enriquecimento de urânio e num reator moderado a grafite de 5 megawatt, que gera barras de combustível gastas associadas ao plutônio, e são o núcleo do complexo nuclear de Nyongbyon.

A fonte, que não foi identificada, disse que a medida é parte dos esforços para resolver a severa falta de eletricidade do país, mas também para "reforçar o potencial nuclear armado tanto em qualidade quanto em quantidade", segundo comunicado divulgado pela agência oficial de notícias Korean Central News Agency.

Pyongyang realizou seu terceiro teste nuclear em fevereiro, o que resultou numa nova rodada de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU), que por sua vez enfureceu os líderes norte-coreanos e levou a uma série de ameaças.

Os Estados Unidos enviaram bombardeios com capacidade nuclear e jatos que não podem ser detectados por radares para participar dos exercícios militares anuais com a Coreia do Sul. As manobras, consideradas rotineiras pelos aliados, são vistas como preparações para uma invasão por Pyongyang.

A Coreia do Norte declarou inválido o armistício que encerrou a Guerra da Coreia em 1953, ameaçou lançar armas nucleares e foguetes contra os Estados Unidos e, mais recentemente, declarou, durante uma assembleia de alto nível do governo, que a produção de armas nucleares e o fortalecimento da economia são as principais prioridades do país. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.