Rebaixamento em guia gastronômico leva chef francês à morte

Um dos mais famosos chefs da França, Bernard Loiseau, proprietário do Côte d?Or, em Saulieu, na Borgonha, um restaurante três-estrelas do Guia Michelin, matou-se com um tiro de fuzil de caça, após ter retrocedido na classificação de um guia concorrente, o GaultMillau. Ele manteve nos últimos anos uma nota privilegiada nesse guia, 19 sobre 20, mas caiu para 17 neste ano, tendo entrado em depressão com o anúncio da pontuação. Loiseau dirigia a única empresa do setor cotada na Bolsa de Valores de Paris. Era também o dono, nos bairros mais turísticos da capital, de três conhecidos restaurantes - Tante Louise, Tante Marguerite e Tante Jeanne. Recentemente, quando lhe disseram que havia boatos de que poderia perder uma das três estrelas no Michelin, esse homem aparentemente alegre e extrovertido respondeu em tom jocoso: "Se isso ocorrer, eu me mato." O corpo foi encontrado no início da noite de ontem na sua casa, próxima do Côte d´Or. Paul Bocuse, o mais antigo dos três-estrelas franceses, reagiu emocionalmente à morte do amigo: "GaultMillau o matou." Bocuse, que no fim de semana falou por telefone com Loiseau, disse que ele estava fortemente deprimido por ter sido rebaixado. O diretor do guia, Patrick Mayenobe, reagiu dizendo que não é por uma estrela a menos que um chef se mata, e ele deveria ter outras preocupações.Na França, grandes chefs como Loiseau são endeusados e respeitados como grandes artistas e quase diariamente estão presentes na tevê e nos principais jornais e revistas.A concorrência talvez tenha contribuído para aumentar a depressão de Loiseau. O GaultMillau deu a nota máxima (20), e pela primeira vez, a Marc Veyrat, chef de dois três-estrelas, e escolheu Michel Trois Gros o melhor chef do ano.A mulher de Loiseau, Dominique, vai continuar sua obra com os colaboradores. O restaurante está aberto. Só fecha depois de amanhã, dia do sepultamento do chef. Grande parte da clientela é internacional e já havia reservado mesa fazia dois ou três meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.