Rebelde assume atentado que matou presidente da Chechênia

O comandante rebelde checheno Shamil Basayev assumiu a responsabilidade pelo atentado à bomba que resultou na morte do presidente da Chechênia, Akhmad Kadyrov, e prometeu dar seqüência a ataques contra autoridades russas, de acordo com uma declaração divulgada nesta segunda-feira. Basayev, que usa o pseudônimo Abdullah Shamil Abu Idris, assumiu a responsabilidade pelo ataque de 9 de maio em uma declaração publicada hoje em uma página operada por rebeldes chechenos na internet. Segundo a declaração, a morte de Kadyrov representou "uma vitória pequena, mas importante". De acordo com o texto, estão em fase de planejamento outras operações similares contra o que qualificou como colaboradores de Moscou na Chechênia. Basayev batizou sua onda de ações como "Operação Revanche". Kadyrov morreu em um atentado à bomba contra um estádio em Grozny onde ele e outros dignitários celebravam o Dia da Vitória, feriado estabelecido para celebrar a derrota das hordas nazistas nas mãos das tropas soviéticas durante a Segunda Guerra Mundial. Ao todo, a explosão de 9 de maio resultou na morte de seis pessoas. Quase 60 outras ficaram feridas, inclusive o mais alto comandante militar russo na Chechênia, que perdeu uma perna. Famoso por sua crueldade, Basayev é o principal comandante rebelde da Chechênia. Ele reivindicou a autoria de alguns dos mais sangrentos atentados perpetrados por militantes separatistas chechenos, inclusive uma série de atentados suicidas em Moscou e no sul da Rússia e uma letal tomada de reféns em um teatro moscovita em outubro de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.