Rebelde líbio promete governo de transição em breve

Representante do Conselho de Transição Nacional prometeu que não haverá 'vácuo político' no país

AE, Agência Estado

22 de agosto de 2011 | 08h11

LONDRES - O Conselho de Transição Nacional, que representa o movimento de oposição ao líder líbio Muamar Kadafi, irá da cidade de Benghazi, no leste do país, até a capital, Trípoli, para estabelecer um governo de transição, disse nesta segunda-feira em Londres um representante do conselho, Mahmud Nacua.

 

Veja também:

Otan manterá operação até que todas as forças de Kadafi se rendam

PERFIL: Excêntrico e nacionalista, Kadafi chegou ao poder em 1969

VÍDEO: Líbios vão às ruas para celebrar notícia da queda de Trípoli

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

VISÃO GLOBAL: A insustentável situação de Kadafi

 

"Há um plano. Não haverá vácuo de poder", disse em entrevista. "O conselho irá em breve de Benghazi para Trípoli e um governo de transição será estabelecido para governar o país", acrescentou.

O ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, disse em entrevista concedida nesta segunda-feira que o presidente Nicolas Sarkozy irá conversar ao telefone no final do dia com o conselho. Segundo Juppé, o governo francês fará uma reunião extraordinária do Grupo de Contato sobre a Líbia em Paris para discutir a situação atual e dar o apoio necessário para levar as autoridades de transição ao local onde possam dar início à construção de uma democracia.

Nacua acredita que Kadafi ainda está na Líbia. Os rebeldes irão procurá-lo, prendê-lo e levá-lo aos tribunais, disse o rebelde, acrescentando que dois de seus filhos já foram presos. Nacua disse esperar pela construção de um país democrático, mas reconheceu a possibilidade de dificuldades e erros pela frente.

"Ainda há focos de apoio a Kadafi. Talvez haja combates em algumas áreas, mas de modo geral nossos combatentes controlam 95% da cidade (Trípoli) e do país", afirmou Nacua.

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.