Rebeldes acusam governo de romper cessar-fogo no Sudão

Um comandante da guerrilha separatista sudanesa Movimento por Justiça e Igualdade (JEM) disse que aviões da Força Aérea do país bombardearam vários locais na região de Darfur, no norte do país, rompendo uma trégua mediada recentemente pelo governador do estado norte-americano do Novo México, Bill Richardson. A acusação, que não pôde ser independentemente confirmada, foi feita poucos dias depois de o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, prometer que cumpriria os termos do acordo de cessar-fogo."Ouvimos os aviões circulando durante toda a manhã e explosões à distância", disse o comandante do JEM, Abdallah Banda. Segundo ele, os ataques aéreos vêm acontecendo desde a sexta-feira em uma grande área de Darfur, perto das comunidades de Hashaba e Ein Sirro. Banda não confirmou informes de que pelo menos 12 pessoas teriam sido mortas nos ataques. "É cedo demais para contar os mortos, mas provavelmente há muitos", acrescentou.O JEM é um dos vários grupos guerrilheiros de Darfur que se recusaram a assinar um acordo de paz firmado em maio do ano passado pelo governo do Sudão e pelas principais organizações rebeldes. Pelo menos 200 mil pessoas morreram e 2,5 milhões tornaram-se refugiadas desde o começo dos combates em Darfur, em 2003. O conflito opõe vários grupos de etnias africanas ao governo sudanês, dominado pela minoria de origem árabe.O governo de Khartoum é acusado de bombardear indiscriminadamente as áreas sob controle dos rebeldes e de armar e financiar as milícias árabes conhecidas como "janjaweed", a quem se atribuem as piores atrocidades cometidas desde o início do conflito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.