Rebeldes assumem explosão; negam ataque suicida

O comandante das forças rebeldes na Síria, Riad al-Asaad, assumiu a responsabilidade pelo ataque que matou o ministro da Defesa e outras autoridades do regime nesta quarta-feira. Mas ele nega que tenha sido um atentado suicida.

AE, Agência Estado

18 de julho de 2012 | 10h05

Asaad disse em entrevista por telefone, de seu quartel-general na Turquia, que rebeldes plantaram a bomba dentro de uma sala onde autoridades do governo iriam reunir-se nesta quarta-feira.

O ministro da Defesa, Dawoud Rajha, e seu vice, general Assef Shawkat, que também é cunhado do presidente Bashar Assad, foram mortos no ataque ao prédio da Segurança Nacional, em Damasco, capital da Síria.

O líder rebelde nega as alegações da TV estatal síria, que diz que foi um ataque suicida, afirmando que todos que realizaram a operação estão seguros. A ação marca "o início do fim do regime", disse Asaad. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Síriaviolênciaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.