Rebeldes avançam para cidade natal de Kadafi

Prazo de ultimato dado por insurgentes para rendição das tropas do ditador está acabando

Agência Estado

02 Setembro 2011 | 16h45

TRÍPOLI - As forças rebeldes da Líbia avançam na direção da cidade de Sirte, local de nascimento de Muamar Kadafi, apesar a extensão do prazo final para a rendição da cidade, informaram autoridades rebeldes nesta sexta-feira, 2, enquanto a Organização das Nações Unidas (ONU) advertia que o país africano enfrenta sérios problemas de abastecimento de água potável, comida e outros materiais.

 

Veja também:

blog TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

forum OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

Embora os combates tenham diminuído muito na Líbia, incluindo na capital Trípoli, os seis meses de guerra civil prejudicaram as linhas de fornecimento e danificaram a infraestrutura em todo o país. Segundo o coordenador humanitário da ONU para a Líbia, Panos Moumtzis, nos últimos dias algumas agências da ONU retornaram a Trípoli.

 

 

A organização levou 11 milhões de garrafas de água e vai levar 600 toneladas de comida e o equivalente a 100 milhões de euros (US$ 140 milhões) em medicamentos para o país, mas afirma esperar que a ajuda da ONU seja temporária. "Este país tem uma série de recursos e nós vemos as necessidades humanitárias como de curto prazo", disse ele sobre o país, rico em petróleo, que tem 6 milhões de habitantes. "Eu não vejo o programa humanitário indo além do final do ano, no máximo."

 

 

O porta-voz do conselho rebelde, Abdel-Hafiz Ghoga, disse que apesar a extensão do prazo para a rendição - os rebeldes haviam ordenado anteriormente que Sirte se rendesse até sábado, mas prorrogaram o prazo até 10 de setembro - as forças rebeldes não pararam de avançar. Os soldados rebeldes investiram na direção da cidade de Wadi Hawarah, a cerca de 50 quilômetros de Sirte, disse ele.

 

"Os rebeldes na linha de frente estão muito ansiosos para se movimentarem sem demora. Eles vivem em condições muito duras no meio do deserto, com clima muito quente", disse ele, acrescentando que os rebeldes preferem a rendição a um ataque sangrento. "Talvez amanhã, ou no dia seguinte, o povo de Sirte levante a bandeira da independência e possamos entrar pacificamente sem luta."

 

"Uma semana não é grande coisa", disse ele, acrescentando que as conversações continuam com anciãos tribais de Sirte.

 

Outro comandante rebelde disse que as forças leais dentro de Sirte estão divididas, com um capo liderado por Muatassim, filho de Kadafi, e o outro por anciãos tribais. "Foram os anciãos das tribos de Sirte que pediram a extensão do prazo até que consigam resolver a situação pacificamente", disse Fadl-Allah Haroun. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.