Rebeldes caçam colaboradores dos EUA nas ruas de Bagdá

Disparando armas automáticas para o ar, rebeldes iraquianos percorreram ruas de Bagdá à caça de colaboradores dos Estados Unidos, a poucos quarteirões da Zona Verde, a área mais fortificada do país, que abriga a Embaixada dos EUA e a sede do governo interino. Enquanto isso, mais cinco soldados americanos morreram em choques ocorridos nos últimos dias na província de Anbar, numa luta contra insurgentes que não mostram sinais de esmorecer.Insurgentes fortemente armados promoveram ousados ataques que deixaram mais de 80 mortos nos últimos dias. A maioria das vítimas era de iraquianos trabalhando para a coalizão estrangeira ou para as novas forças nacionais de segurança.Nas ruas de Bagdá, militantes diziam estar em busca de iraquianos a serviço das forças estrangeiras lideradas pelos EUA. De acordo com testemunhas, esses rebeldes mataram um iraquiano a serviço das forças de coalizão na Rua Haifa, em Bagdá. Em seguida, entraram em choque com soldados americanos posicionados a algumas centenas de metros da Zona Verde. Por volta do meio-dia, os rebeldes se dispersaram.A 1ª Força Expedicionária de Fuzileiros Navais dos EUA informou hoje que mais cinco soldados americanos morreram em choques ocorridos nos últimos dias na província de Anbar. Três soldados morreram no domingo e dois fuzileiros navais perderam a vida na sexta-feira. Anbar é uma ampla região que abriga cidades onde a presença rebelde é forte, como Faluja e Ramadi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.