Rebeldes celebram na praça central de Trípoli

Na capital e em outras cidades da Líbia, multidões celebram a prisão de filho de Khadafi.

BBC Brasil, BBC

21 de agosto de 2011 | 22h09

Uma praça no centro da capital da Líbia, Trípoli, foi tomada por centenas de rebeldes e uma multidão gritando frases de vitória e celebrando.

Os rebeldes começaram a entrar em Trípoli na noite de sábado e intensificaram os ataques durante o domingo. O confronto em diversas áreas da cidade deixou centenas de mortos.

Segundo os correspondentes da BBC no local, houve pouca resistência por parte forças do governo, à medida que os rebeldes avançavam. No entanto, o conflito continua em alguns bairros.

Uma desses pontos fica no entorno do hotel que hospida a mídia internacional. Segundo o correspondente da BBC Trípoli, Matthew Price, disse que o local ainda estava sob poder do governo, mas que os rebeldes tentavam controlar o hotel. Uma intensa troca de tiros podia ser ouvida do quarto do jornalista.

A Praça Verde, no centro, e outros pontos da capital vivem na madrugada de segunda-feira um verdadeiro clima de festa, de acordo com uma correspondente da BBC cujo nome não foi divulgado para preservar sua segurança.

"Estamos ouvindo frases como 'Deus é grande' e 'Estamos livres' vindos de mesquitas espalhadas pela cidade. Há um verdadeiro clima de celebração entre as pessoas aqui, principalmente na região leste. Todos parecem acreditar que esse é mesmo o fim do regime."

Imagens de TV também mostram celebrações em cidades como Benghazi (leste), uma das primeiras a ser tomadas pelos rebeldes.

Filhos de Khadafi

O Tribunal Penal Internacional (TPI) confirmou que um dos filhos de Khadafi, Saif al-Islam, foi capturado na capital. Ele era considerado o sucessor do pai no governo líbio.

Os rebeldes afirmam ainda que um outro filho de Khadafi - Mohamed - teria se rendido, assim como a guarda pessoal do líder líbio, mas a informação não pode ser confirmada por fontes oficiais.

No início da madrugada, o canal de TV oficial do país foi tirado do ar e a transmissão também foi interrompida na rede Al-Libiya, que pertence a Saif al-Islam.

Segundo moradores, os sinais foram interrompidos por grupos anti-Khadafi. Há também muitos relados de pessoas em Trípoli que estão conseguindo entrar na internet, cujo acesso havia sido cortado no início do conflito, há seis meses.

Vítimas

O governo líbio confirmou que os rebeldes invadiram Trípoli e, segundo o porta-voz Moussa Ibrahim, 1.300 pessoas foram mortas na cidade nas últimas 24 horas.

Pela manhã, centenas de rebeldes líbios entraram na capital, Trípoli, vindos de cidades conquistadas no oeste do país.

Eles foram saudados por uma multidão de civis nas ruas, que gritavam frases contra o regime de Khadafi e agitavam a bandeira dos rebeldes.

Forças antigoverno já haviam tomado o controle de postos militares nas vias de acesso a oeste de Trípoli, onde pegaram armas e munições.

Os rebeldes afirmaram que há centenas de novos combatentes chegando à capital, vindos do oeste do país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
libiakhadafirebeldestripoli

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.