Rebeldes cercam Parlamento e tomam cidade somali

Um grupo linha-dura islamita cercou hoje a sede do Parlamento da Somália e afirmou que vai impor a Sharia (lei islâmica) na cidade. Considerado terrorista pelos Estados Unidos, Al-Shabab tomou a cidade de Baidoa ontem, um dia após tropas da Etiópia deixarem o país. Os soldados do país vizinho estavam há dois anos em território somali, apoiando o fraco governo local. "Nós estabeleceremos uma administração islâmica e pedimos aos moradores que permaneçam calmos", disse o xeque Muktar Robow, porta-voz do grupo. O Parlamento está nesta semana reunido no vizinho Djibuti para eleger um novo presidente. Aparentemente não será possível a volta dos parlamentares a Baidoa, que fica a 250 quilômetros a sudoeste da capital da Somália.Houve um breve confronto entre os islamitas e as milícias que apoiam o governo, que logo fugiram, segundo testemunhas. Uma enfermeira no principal hospital da cidade disse que duas pessoas se feriram. A União Africana tem menos de 3 mil soldados no país, mesmo com autorização para a presença de 8 mil. "Não é com três batalhões que podemos cobrir toda a Somália", disse o diretor da comissão da União Africana Jean Ping, em Adis-Abeba, Etiópia.A árida e empobrecida nação do Chifre da África não tem um governo que controle de fato o país desde 1991, quando senhores de guerra derrubaram o governo do ditador Mohamed Siad Barre. Piratas atuam na costa do país e analistas temem que o Estado falido sirva de base para terroristas internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.