Dai Kurokawa/Efe
Dai Kurokawa/Efe

Rebeldes congoleses começam a abandonar linha de frente em Goma

Integrantes do grupo M23 recuaram após acordo negociado em Uganda; polícia retorna para reassumir controle

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2012 | 17h25

GOMA - Centenas de rebeldes congoleses retiraram-se nesta sexta-feira, 30, das linhas de frente estabelecidas nos arredores de Goma, leste da República Democrática do Congo, cumprindo os termos de um acordo negociado esta semana em Uganda. Simultaneamente, a polícia retorna para reassumir o controle da cidade, capturada na semana passada.

Os rebeldes do M23, grupo formado há oito meses por soldados amotinados do exército congolês, prometeram recuar e se estabelecerem a uma distância de 20 quilômetros de Goma, principal cidade do leste do Congo, uma região rica em recursos minerais.

No entanto, apesar de os rebeldes terem começado a recuar de suas posições, o líder militar do M23, Sultani Makenga, acusou mantenedores de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) de terem "começado a bloquear" a movimentação de equipamentos dos rebeldes para fora de Goma, o que estaria retardando a retirada. "Estamos aguardando a solução do problema para nos retirarmos", disse Makenga à AFP em Sake, 30 quilômetros a oeste de Goma.

Madnodje Mounoubai, porta-voz da ONU no Congo, disse desconhecer qualquer bloqueio que tenha sido estabelecido pelos mantenedores de paz. Segundo ele, porém, os rebeldes tentaram ocupar o aeroporto, atualmente controlado pela ONU, e roubar as armas do exército congolês armazenadas no local. Mounoubai disse que a ONU "não toleraria" tais ações.

Também nesta sexta-feira, o Reino Unido informou que vai reter fundos de ajuda a Ruanda depois da divulgação de suspeitas do envolvimento do país africano com o grupo rebelde M23 do Congo. A secretária de Desenvolvimento Internacional, Justine Greening, afirmou nesta sexta-feira que o governo britânico não vai liberar um pagamento de US$ 33,6 milhões em meio a preocupações de que Ruanda pode ter apoiado a milícia congolesa. Segundo Greening, o país africano está quebrando "princípios de parceria".

Os britânicos querem pressionar Ruanda a acabar com a violência no país vizinho. No passado, Ruanda já havia oferecido ajuda a grupos rebeldes do Congo numa resposta contra outras milícias de extremistas hutus, culpados pelo genocídio ruandês de 1994.

Com Dow Jones e AP

Tudo o que sabemos sobre:
CongoGomaM23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.