Rebeldes continuam ofensivas no Iêmen, apesar de tensão com ex-presidente

Os rebeldes houthis continuaram sua campanha militar neste domingo, apesar de sinais de tensão na aliança entre o grupo e o ex-presidente do país, Ali Abdullah Saleh. Em um discurso transmitido pela televisão no sábado a noite, Saleh pediu diálogo político e novas eleições no país, mostrando pela primeira vez divergências com os rebeldes houthis desde o início dos conflitos, em setembro.

Estadão Conteúdo

29 Março 2015 | 13h56

Saleh governou o Iêmen por duas décadas até ser retirado do poder, em 2012, e tem sido um importante agente na fragmentação do exército, recuperando a lealdade de algumas unidades, que se juntaram aos houthis no governo.

Os rebeldes enfrentam forte resistência no sul do país, onde forças pró-governo estão resistindo com a ajuda de ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita, que têm causado centenas de mortes entre os houthis. Durante o final de semana, os grupos militantes foram retirados de partes da cidade portuária de Áden, para onde o presidente Abed-Rabbo Mansour Hadi havia fugido no início da semana passada.

Os ataques sauditas têm sido importantes para conter o avanço dos rebeldes. O principal reduto dos houthis é o norte do país, mas o grupo xiita tenta avançar para o sul, uma aposta arriscada, segundo diplomatas árabes. O sul do Iêmen é dominado por sunitas e tem uma estrutura tribal. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Iêmen houthis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.