Rebeldes da Libéria ameaçam atacar força internacional

Enquanto o governo dos EUA pondera o envio de tropas de paz para pôr um fim na guerra civil da Libéria, as forças rebeldes que mantêm sitiada a capital do país, Monróvia, ameaçam atacar qualquer destacamento estrangeiro que chegue ao país antes de o presidente liberiano, Charles Taylor, renunciar. Os rebeldes afirmam que, neste momento, uma intervenção estrangeira apenas fortalecerá a posição de Taylor no poder. ?Qualquer soldado que venha antes da partida de Taylor deve estar preparado para lutar?, disse o grupo Liberianos Unidos pela Democracia e Reconciliação, numa declaração. Taylor, que é procurado para responder por crimes em um tribunal das Nações Unidas, vem prometendo renunciar - mas apenas com a chegada de forças estrangeiras, para garantir que o poder mude de mãos de modo ordenado. Como parte da política de "reconciliação nacional", o presidente Charles Taylor deu ordem hoje para libertar 25 presos acusados de colaboração com os rebeldes. O governo ainda tenta chegar à paz em conversações com os rebeldes na cidade de Accra, capital de Gana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.