Rebeldes da Libéria prometem respeitar força de paz

O principal grupo rebelde liberiano disse nesta segunda-feira que retirará suas tropas das posições que atualmente ocupam, incluindo o porto de Monróvia, assim que as tropas da África Ocidental chegarem e estabelecerem a segurança na região. O líder do Liberianos Unidos pela Reconciliação e Democracia (Lurd) também disse que o grupo renunciou a qualquer pretensão para ocupar a presidência ou a vice-presidência de um governo provisório a ser formado quando o presidente Charles Taylor deixar o país, dizendo que assim agirá ?pela causa da paz?.O líder do Lurd, Sekou Conneh, pediu que aumente a pressão internacional para obrigar Taylor a deixar a Libéria, e levantou a possibilidade de seus combatentes ajudarem as tropas de paz a forçarem a saída do atual presidente, se isso lhes for pedido. ?Nós temos capacidade de derrubar Charles Taylor mas, em razão da situação humanitária de nossa população civil?, o Lurd apoiará o controle da situação pelas forças de paz, disse. ?Vamos trabalhar com elas. Elas se tornarão capazes de garantir a segurança para os civis, e então nos retiraremos?, afirmou Conneh à Associated Press. Também disse que o Lurd entregará o controle do porto de Monróvia assim que as tropas oeste-africanas - cujo número total deve chegar a 3.250 soldados - asumirem o controle da área da capital.Os rebeldes aceitaram retornar à posições que eles ocupavam no momento em que assinaram o acordo de cessar-fogo em 17 de junho, como foi pedido pelas forças de paz, acrescentou. Tal acordo vem sendo repetidamente rompido. Conneh fez essas declarações em Roma, onde se encontra como convidado de uma organização católica, a Comunidade de Santo Egídio, que trabalha como facilitadora das negociações de paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.