Rebeldes das Farc prometem libertar reféns

O maior grupo guerrilheiro colombiano, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), prometeu libertar um número não especificado de reféns depois de milhares de colombianos realizaram passeatas em todo o país exigindo a liberdade de todas as pessoas capturadas pelos rebeldes.

AE, Agência Estado

07 de dezembro de 2011 | 12h12

O presidente Juan Manuel Santos disse na terça-feira que não vai trocar reféns por guerrilheiros presos, mas deu a entender que está aberto a um futuro diálogo se o grupo marxista demonstrar "vontade política verdadeira".

"O que queremos ver é uma vontade política verdadeira para chegarmos a um acordo de paz e uma das formas de expressar essa vontade é libertando os reféns unilateralmente, sem condições e sem exibições", disse Santos em entrevista à rádio RCN.

"Libertem os reféns e então poderemos nos sentar e ver se há possibilidades de um diálogo", disse ele.

Manifestantes fizeram passeatas em Bogotá, Cali, Medellín e várias outras cidades do país andino, gritando "Liberdade, liberdade, liberdade".

"Chega das Farc", gritavam outros, pedindo o fim dos 47 anos de guerra de guerrilha contra o Estado.

As marchas foram realizadas 10 dias após o assassinato de quatro reféns - três policiais e um soldado - que eram mantidos pela guerrilha havia mais de 12 anos.

Dentre eles estava o mais antigo refém das Farc, José Líbio Martinez, que fora sequestrado em 21 de dezembro de 1997. Um quinto refém conseguiu escapar.

Os quatro foram mortos a tiros pelos guardas responsáveis por eles quando um acampamento da guerrilha na floresta foi atacado, informaram autoridades. As Farc dizem que as mortes foram resultado de uma tentativa "disparatada" de resgate. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcrefénsprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.