Rebeldes dizem que libertação da Líbia é tarefa do povo

A "libertação da Líbia" é de responsabilidade do povo líbio, afirmou hoje Mahmoud Shammam, integrante do Conselho Nacional Interino, órgão que representa os insurgentes que lutam contra o governo de Muamar Kadafi.

AE, Agência Estado

29 de março de 2011 | 13h59

Shammam está em Londres, onde se reúnem hoje os líderes de mais de 35 países, dentre eles sete nações árabes, além de representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Eles discutem o futuro da Líbia, prometendo manter a ação militar até que Kadafi obedeça a resolução da ONU que determina que o governante pare de atacar civis.

Enquanto isso, um funcionário informou que a França vai enviar um "embaixador" a Benghazi, principal cidade tomada pelos rebeldes, no leste da Líbia. O funcionário revelou à agência France Presse que Antoine Sivan, de 53 anos, está a caminho da cidade. No último dia 10, a França foi o primeiro país a reconhecer o Conselho Nacional Interino, após uma reunião em Paris entre representantes dos rebeldes e o presidente Nicolas Sarkozy.

Hoje, o principal comandante da Otan, almirante James Stavridis, afirmou que a aliança não tem representantes em terra na Líbia que atuem juntamente com as forças rebeldes. "Não há nenhum representante da Otan em solo na Líbia neste momento, que eu saiba", disse, ao ser perguntado se a aliança tinha alguma ligação com as forças opositoras. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesrebeldesOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.