Rebeldes do Congo se recusam a assinar cessar fogo expandido

Chefe da delegação do governo para negociar a paz na capital do Quênia já assinou a declaração

Eduardo Magossi/AE,

21 de dezembro de 2008 | 15h36

O governo do Congo concordou em ampliar o cessar fogo com os rebeldes do general Laurent Nkunda. Mas, segundo a ONU, os insurgentes estão se recusando a negociar. O chefe da delegação do governo para negociar a paz na capital do Quênia já assinou a declaração no sábado com o objetivo de criar um clima de confiança entre as duas parte. Mas o Congresso Nacional para a Defesa do Povo, ou CNDP, se recusou a assinar o acordo, dizendo que as forças do governo ocuparam áreas de onde eles se retiraram no leste do país.  As negociações de paz começaram em Nairóbi em 8 de dezembro e, neste sábado, adotaram algumas medidas para guiar futuras conversações. Uma das medidas, que foi retirada do documento, é um pedido dos rebeldes para a inclusão do líder do parlamento e do senado como facilitadores das negociações de paz, assim como representantes do governo e da oposição. O governo insiste, contudo, que os mediadores sejam livres para incluir outros agentes nas negociações, mediante consulta aos dois lados. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.