Rebeldes do EPP e Farc teriam se reunido no Brasil

Arquivos do computador de Raúl Reyes, um dos líderes máximos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) morto em 2008 num ataque militar do Exército colombiano no Equador, indicam que a guerrilha colombiana e o Exército do Povo Paraguaio (EPP) usaram o território brasileiro para reuniões e para esconder dinheiro proveniente de sequestros promovidos em território paraguaio.

AE, Agência Estado

28 de abril de 2010 | 08h33

Os arquivos fazem menção a supostos pagamentos do EPP para as Farc, no Brasil, como contrapartida pelos serviços prestados pelos colombianos à guerrilha paraguaia. Autoridades do Paraguai e da Colômbia afirmam que as Farc deram treinamento militar e ensinaram táticas de sequestro aos membros do EPP.

O conjunto de papéis a que o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso é o fato novo com o qual o governo de Assunção espera convencer o Brasil a rever o refúgio político concedido aos militantes de esquerda J.F.A, A.M.M e V.A.C.O. Acusados pelo Paraguai de liderar as ações do EPP, os três ganharam do governo brasileiro o status de refugiados políticos. O Paraguai contesta a decisão, tomada em 2003 pelo Comitê Nacional para Refugiados (Conare), do Ministério da Justiça.

Brasileiro envolvido

Os arquivos do computador de Reyes foram enviados às autoridades paraguaias pelo governo da Colômbia a partir de um acordo de cooperação judicial firmado em 2009. Em e-mails trocados com representantes da guerrilha dentro e fora da Colômbia, brasileiros aparecem como intermediários da relação entre as Farc e o EPP. Um deles é o ex-vereador de Guarulhos Edson Antônio Albertão, do Psol, a quem o documento colombiano se refere como integrante do "Comitê das Farc no Brasil".

Uma das mensagens anexadas ao relatório de 51 páginas, com timbre da Polícia Judiciária da Colômbia, diz que Albertão foi "designado" pelas Farc para guardar em sua casa, em Guarulhos, uma remessa de dinheiro feita pelo EPP para a guerrilha colombiana. O dinheiro, de acordo com o documento, seria produto de "sequestros no Paraguai".

Albertão disse nunca ter ouvido falar "nesse tal Exército do Povo Paraguaio". "Não conheço ninguém desse tal Exército. Nunca ouvi falar nem tive contato com ninguém. Não conheço nenhuma atividade no Paraguai", afirmou. Ele admite, contudo, contato com líderes das Farc - e até tê-los hospedado no passado. "As Farc não reconhecem nenhuma ação política fora da Colômbia. Ainda mais com tráfico de drogas. Vê se isso faz sentido? Eu sou um professor!" As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
guerrilhaEPPFarcreuniãoBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.