Rebeldes falham em se organizar e sofrem com armas precárias

Após o levante, os rebeldes falharam na tentativa de se organizar. Agora, para derrotar Muamar Kadafi, eles dependem de ataques aéreos e de jovens em armas, porque o contingente que diziam ter não passa de mil homens treinados. O mea-culpa veio de Ali Tarhouni, nomeado ministro das Finanças do governo rebelde. Economista da Universidade de Washington, ele voltou à Líbia após 35 anos de exílio e colocou à disposição suas credenciais americanas para que a oposição obtenha reconhecimento internacional. "Ele entende a mentalidade ocidental", disse Iman Bugaighis, porta-voz da oposição.

Kareem Fahim, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2011 | 00h00

 

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio
especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi  
 

     

 

 

O importante, porém, é que Tarhouni, de 60 anos, é uma das poucas autoridades rebeldes que falam abertamente sobre as deficiências do movimento, após semanas de previsões otimistas feitas por alguns companheiros. "O processo foi e é muito caótico", disse. Nos anos 70, quando era ativista estudantil, ele foi expulso da faculdade na Líbia por defender a democracia.

  Tarhouni deixou o país em 1983, perdeu sua cidadania e sentenciado à morte. No exílio, continuou sendo adversário de Kadafi. "Para minha vergonha, larguei meus alunos e voltei para cá no meio do trimestre. Mas todos entenderam a razão." O movimento rebelde para o qual ele voltou tinha problemas de coesão e fez anúncios confusos sobre seus líderes e sua função. "Havia um vácuo total e isto se refletiu na formação do conselho. Nós o limparemos, eu prometo."

Esta semana, os rebeldes anunciaram - e depois desmentiram - um governo liderado por Mahmoud Jibril, especialista em planejamento. Tarhouni, ministro das Finanças, disse que dinheiro não é problema no momento, já que eles têm acesso aos bancos de Benghazi e de outras cidades tomadas. Há ainda a promessa da Grã-Bretanha de enviar US$ 1 bilhão em efetivo para Kadafi, que ainda não foi entregue.

Tarhouni pertence a uma lista de políticos que os líbios estão conhecendo pela primeira vez. O clamor para formar um novo governo, porém, parece prematuro antes da derrota de Kadafi. Tarhouni reconhece o problema, dizendo que sem artilharia pesada e aviões, os rebeldes dependem de jovens que, no início, enfrentavam o Exército com pedras. "Agora eles carregam armas", disse. / TRADUÇÃO CELSO M. PACIORNIK

É JORNALISTA DO "NEW YORK TIMES"

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.