Rebeldes filipinos ignoram ultimato

Desafiando o segundo prazo dado pelo governo, os soldados filipinos que se amotinaram em um shopping center em Manila, nas Filipinas, mantêm a resistência. A presidente Glória Arroyo já declarou um "estado de rebelião" em todo o país. Supostamente golpistas, os soldados tomaram o prédio nas primeiras horas do domingo e o isolaram com explosivos. Acusam de corrupção a presidente e o ministro da Defesa, Angelo Reyes, e exigem sua renúncia. Glória disse primeiro aos soldados que eles tinham até as 17h (6h em Brasília) para se entregar. Depois o prazo foi estendido em duas horas. O governo tenta ainda uma solução pacífica para a crise. Segundo o correspondente da BBC, os rebeldes prometem não desistir, mas há sinais de que eles possam estar abertos a negociações. Correspondentes em Manila afirmam que a situação no local é complexa, com evidência de que os amotinados estariam trocando apertos de mão com os soldados enviados para cercá-los. As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

Agencia Estado,

27 Julho 2003 | 10h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.