Rebeldes intensificam atentados no Iraque

Explosões de carros-bomba contra policiaisiraquianos e milicianos curdos em Bagdá e no norte do Iraquedeixaram pelo menos 14 mortos e 62 feridos neste sábado,numa nova demonstração da capacidade de atuação dos rebeldes nassemanas que antecedem as eleições marcadas para 30 de janeiro de2005.De ontem para hoje, a violência tirou a vida de mais de 40iraquianos. O comando militar dos EUA informou ainda que quatrosoldados americanos foram mortos em diferentes ataques entre asexta-feira e o sábado. Na capital iraquiana, dois carros-bomba explodiram perto deuma delegacia de polícia próxima à Zona Verde, área de segurançamáxima no centro da cidade, no segundo grande ataque à políciairaquiana desfechado em apenas dois dias. Pelo menos sete pessoas foram mortas e 59 ficaram feridas nasexplosões em Bagdá. Ontem, um atentado semelhante matou 16agentes de polícia. Em Mossul, no norte do Iraque, um militante suicida detonou umcarro-bomba ao lado de um ônibus que transportava milicianospró-governo curdo, deixando pelo menos sete mortos e trêsferidos. Nas explosões da capital, militares americanos dizem que doiscarros-bomba explodiram por volta das 9h30 locais num posto desegurança na entrada da Zona Verde, uma região fortificada deBagdá que abriga a sede do governo provisório do Iraque ediversas missões diplomáticas. Apenas uma detonação foi ouvida, sugerindo que as bombas foramprogramadas para explodir simultaneamente. Rajadas demetralhadora se seguiram à explosão. A polícia iraquiana também se viu sob ataque na cidade deSamarra neste sábado. Morteiros foram disparados contra umadelegacia à zero hora, ferindo dois policiais. Enquanto isso, fontes do Exército dos Estados Unidosinformaram neste sábado que mais dois soldados americanosmorreram e outros cinco ficaram feridos em dois atentados queaconteceram em Bagdá e Kirkuk, mas não precisaram quando asações rebeldes aconteceram. No primeiro ataque, em uma estrada ao norte da capital, Bagdá,a explosão de uma bomba durante a passagem de um comboioamericano deixou um morto e três feridos. No outro atentado, contra uma patrulha militar no sul deKirkuk, 250 quilômetros ao norte de Bagdá, um soldado morreu eoutros dois ficaram feridos. Ontem, perto da fronteira com a Jordânia, mais dois soldadosamericanos morreram quando um militante suicida detonou umcarro-bomba, informou o comando militar dos EUA. Com essas quatro novas mortes, já são pelo menos 1.269 osmilitares americanos mortos desde a invasão do Iraque, segundouma contagem da The Associated Press. Enquanto isso, fontes hospitalares revelaram hoje a descobertade quatro corpos de homens vestidos em uniformes da GuardaNacional iraquiana no noroeste do país árabe. Os cadáverescontinham diversas perfurações de balas. No fim da noite de ontem, soldados americanos mataram ummotorista que não parou em um posto militar em Kirkuk, no nortedo país, informaram hoje policiais iraquianos e o Exército dosEUA. O episódio ocorreu pouco depois de o posto ter sido atacadocom granadas. Na província de Dohuk, o governador local Nachervan Ahmedescapou de uma tentativa de assassinato neste sábado, informou apolícia. Uma pessoa ficou ferida na explosão ocorrida perto dacomitiva do governador. Ainda neste sábado, centenas de soldados britânicos voltarampara sua base no sul do Iraque depois de uma temporada de um mêsnuma região conturbada nos arredores de Bagdá, informou emLondres o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha. Cinco dos 850soldados do regimento morreram ao longo do último mês. Enquanto isso, em audiência numa corte militar no Texas, osargento Javal Davis admitiu hoje ter pisado nos dedos das mãose dos pés de prisioneiros na prisão iraquiana de Abu Ghraib,alegando ter recebido ordens para "amolecer" os detidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.