Rebeldes iraquianos atacam conferência nacional

Rebeldes iraquianos dispararam morteiros em direção ao prédio em Bagdá onde começou hoje uma conferência de três dias para eleger cem membros de uma Assembléia Nacional interina. Mas os três projéteis caíram a centenas de metros do centro de convenções que sedia o encontroe atingiram uma parada de ônibus e um táxi, matando duas pessoas e ferindo pelo menos 17, segundo o Ministério do Interior.O local da conferência fica na superprotegida Zona Verde, a grande área central de Bagdá que abriga os principais edifícios públicos, a sede das forças de ocupação americanas e váriasembaixadas. Embora o impacto da explosão tenha estremecido o centro de convenções, os 1.300 delegados continuaram seu trabalho. O evento é um fórum sem precedentes para iraquianos de todos os grupos étnicos, religiosos e polícticos discutirem seus projetos para o Iraque, apesar de o governo interino enfrentar a resistência de rebeldes sunitas no norte e oeste e o levante da milícia do clérigo Muqtada al-Sadr, em Najaf e outras cidades.A ação das tropas americanas em Najaf causou protestos na conferência. Nadim al-Jadari, do Conselho Político Xiita, subiu no palco logo após a abertura e ameaçou retirar seu grupo dentro de 24 horas se o governo não retomar as negociações para pôr fim ao conflito em Najaf. "O governo iraquiano é responsável pelo que acontece. Ele trouxe forças dos EUA para atacar nosso povo em Najaf", disse Falah Hassan, do mesmo grupo. Mas outras organizações criticaram a ameaça. "Até o momento está tudo bem", disse o delegado Saad Qindeel, do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica, a principal entidade xiita. "É irresponsável boicotar a conferência", complementou Qindeel.Enquanto isso, a aviação americana prosseguiu hoje com os ataques a Faluja, a oeste de Bagdá. No bombardeio de três bairros, cinco civis morreram e seis ficaram feridos, disse o dr. Adil Khamis, do Hospital Geral. O comandante de um pelotão ucraniano foi morto hoje na explosão de uma mina acionada por controle remoto quando buscava água num poço perto de Suwayrah, 40 quilômetros ao sul de Bagdá. Horas mais tarde, mais quatro soldados ucranianos morreram em um ataque rebelde. Em Bagdá, um soldado americano foi morto num ataque rebelde. Ontem, dois militares dos EUA morreram no país. Até sexta-feira, 930 soldados americanos haviam morrido em operações no Iraque desde a invasão do país árabe, em 20 de março de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.