Manu Brabo/AP
Manu Brabo/AP

Rebeldes lançaram morteiros sem precedentes contra as forças de Assad

Combates estão mais intensos nos últimos dois meses; opositores iniciaram nova ofensiva

AE, Agência Estado

28 de setembro de 2012 | 12h18

BEIRUTE - Rebeldes lançaram uma barragem de morteiros sem precedentes contra as forças do governo em Alepo, disseram ativistas e moradores nesta sexta-feira, 28. Estão acontecendo os combates mais intensos dos últimos dois meses, um dia após os opositores terem iniciado nova ofensiva pelo controle da maior cidade da Síria.

Veja também:

linkSíria tem 300 mortos em um dos dias mais violentos do conflito, dizem ativistas

linkJornalista do Irã morre na Síria e Damasco registra violentos combates

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

"A luta é sem precedentes e não para desde quinta-feira. Os confrontos costumavam ser limitados a um ou dois quarteirões de um distrito, mas agora as lutas estão em todo lugar", afirmou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Alguns dos piores confrontos aconteceram na vizinhança predominantemente curda de Sheikh Maksoud. Os curdos são a maior minoria étnica da Síria e estão divididos entre os dois lados do conflito, alguns com os rebeldes e outros com o regime.

 

"A cidade está testemunhando um dos dias mais violentos. Todos os frontes estão em chamas", disse o ativista de Alepo Baraa al-Halabi. Os combatentes do principal grupo rebelde, o Exército Livre Sírio, tentam expulsar os soldados do governo do presidente Bashar Assad. A cidade de 3 milhões de habitantes é um campo de batalha estratégico na guerra civil do país. Sua queda seria uma grande vitória estratégica para a oposição. Já uma derrota dos rebeldes no mínimo daria mais tempo a Assad.

No campo diplomático, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, recebeu representantes dos "Amigos da Síria" - coalizão que inclui também a União Europeia e a Liga Árabe. O grupo fez um apelo para que as diversas facções que opõem-se a Assad cooperem mais entre si.

As informações são da Associated Press e Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaviolênciaAlepo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.