Rebeldes libertam mais 5 reféns em Moscou

O grupo de rebeldes chechenos que invadiu um teatro de Moscou, ontem, libertou hoje pelo menos outros cinco reféns. Centenas de pessoas ainda permanecem sob poder do grupo, no interior do teatro. Entre 500 e 700 pessoas, incluindo estrangeiros, estão em poder de cerca de 40 rebeldes fortemente armados, que ameaçam explodir o prédio caso as autoridades russas tentem uma operação de resgate, informou a CNN. Até agora, mais de 100 mulheres e crianças foram libertadas, segundo um porta-voz da polícia de Moscou, Valery Gribakin. Os rebeldes invadiram o teatro por volta das 21h de quarta-feira, durante uma apresentação do musical "Nord-Ost". Eles exigem que a Rússia retire suas tropas da Chechênia dentro de uma semana. Segundo a imprensa russa, o presidente Vladimir Putin acusou "centros terroristas estrangeiros" de planejar o ataque. Ele cancelou uma viagem ao exterior e convocou uma reunião de emergência de seu Gabinete ministerial. Autoridades russas e diplomatas estrangeiros participam das negociações com os extremistas. Hoje, eles exigiram a presença de Iosif Kobzon, um parlamentar e cantor que já apresentou música de louvor à Chechênia, e de representantes da Cruz Vermelha. Às 6h20 de hoje (hora de Brasília), Kobzon e quatro integrantes da Cruz Vermelha entraram no teatro. Logo depois, um homem de cerca de 60 anos, cidadão britânicos, deixou o prédio, seguido por uma mulher e três crianças, que seriam russas.No interior do teatro há ainda, entre os reféns, um homem e uma mulher norte-americanos, segundo a embaixada dos Estados Unidos. Além deles os rebeldes ainda mantém prisioneiros cidadãos de 17 nacionalidades no interior do teatro, entre eles suíços, alemães, ingleses, holandeses, austríacos, búlgaros e alemães. Não há brasileiros entre os refénsNão há brasileiros entre os cerca de 700 sequestrados dentro do teatro. A informação é da embaixada do Brasil na capital russa, que recebeu relatório do Ministerio do Interior do país garantindo que não havia brasileiros no local quando os rebeldes iniciaram o seqüestro, na noite de ontem. Segundo infomou a embaixada brasileira em contato telefônico com a Agencia Estado. A representação do Brasil em Moscou ainda afirmou que foi decretado estado de emergência na cidade e que a segurança de todos os prédios públicos e embaixadas foi reforçada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.