Rebeldes líbios afirmam ter tomado controle de Misrata

Rebeldes líbios informaram neste domingo que tomaram controle total da cidade portuária de Misrata, no oeste do país, mas sugeriram que ainda é muito cedo para avançar em uma tentativa de confronto com as forças do líder líbio Muamar Kadafi na capital.

AE, Agência Estado

15 de maio de 2011 | 12h44

Em Misrata, o rebelde Abdel Salam descreveu a situação na cidade como estável. "A situação está quase congelada, uma vez que os rebeldes têm controle total sobre Misrata. Os rebeldes não estão envolvidos em nenhuma grande frente de luta com as forças de Kadafi", disse ele.

Salam negou relatos anteriores sugerindo que os rebeldes estavam avançando na direção da cidade de Zlitan, que seria o próximo ponto na estrada para a capital Trípoli. "Os rebeldes concordaram que é melhor não avançar ou abrir novas frentes", disse ele. "Será um grande risco avançar. Qualquer coisa pode acontecer e nos custar vítimas. Essa não é a decisão correta para tomar agora", completou ele.

Os rebeldes controlam a maior parte da região leste da Líbia, enquanto Kadafi controla grande parte do oeste, incluindo Trípoli. Misrata - cerca de 200 quilômetros a sudeste de Trípoli - é o único baluarte rebelde no oeste. Mais de mil pessoas morreram na cidade durante os conflitos.

Por sua vez, promotores da Corte Criminal Internacional estão dando os toques finais a seu caso contra três líderes líbios acusados de assassinato e perseguição na brutal ação contra rebeldes antigoverno.

O promotor Luis Moreno-Ocampo apresentará um documento de 74 páginas descrevendo as alegações e pedindo mandados de prisão para os três líderes líbios considerados os principais responsáveis pelas atrocidades. Moreno-Ocampo não revelou os nomes dos três, mas acredita-se que Kadafi estaria entre eles. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaMisratarebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.