Rebeldes líbios avançam e tomam cidade perto de Trípoli

ZAWIYAH, LÍBIA

, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2011 | 00h00

Rebeldes líbios tomaram ontem o controle da estratégica cidade de Zawiyah, em seu mais expressivo avanço em meses rumo a Trípoli. A tomada de Zawiyah, cerca de 50 quilômetros da capital, representa um duro golpe para os partidários do líder líbio, Muamar Kadafi, pois bloqueia a principal rodovia de acesso à Tunísia, que abastece a capital com alimentos e combustível, e aproxima a ofensiva da capital.

Em mensagem de áudio divulgada ontem à noite pela TV líbia, Kadafi exortou seus partidários a preparar-se para a batalha para "liberar" as cidades controladas pelos insurgentes.

Rebeldes e forças leais a Kadafi travaram intensos combates nos últimos dias em Zawiyah, levando milhares dos 200 mil moradores a deixar a cidade. Era impossível verificar o número de mortos por causa da caótica situação, mas um combatente disse que havia ao menos 8 mortos e 25 feridos.

Os insurgentes agora estão em sua melhor posição desde o início de seu levante contra os 41 anos de regime de Kadafi, que começou em fevereiro. Eles agora controlam a costa tanto a leste quanto a oeste de Trípoli. No norte está o Mediterrâneo e há um bloqueio naval da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e no sul estão sendo travados combates entre os rebeldes e as forças do governo.

Zawiyah levantou-se contra o regime logo no início da revolta, mas as forças de Kadafi arrasaram a oposição na cidade após um longo e sangrento cerco, em março.

"Esperamos atacar Trípoli nos próximos dias", disse um taxista que aderiu ao levante contra Kadafi. "Agora que tomamos Zawiyah, podemos libertar a Líbia", acrescentou.

Os rebeldes asseguram ter tomado também a cidade de Surman, vizinha a Zawiyah, e combates estavam sendo travados em Garyan, a cidade de acesso a Trípoli pelo sul. Apesar de as forças de Kadafi terem sido enfraquecidas pelos bombardeios da Otan contra alvos militares em Trípoli, elas devem tentar retomar Zawiyah, considerada crucial para a defesa do regime.

Depois da festa inicial pela tomada da cidade, o clima tornou-se tenso, com rebeldes erguendo numerosos bloqueios e postos de controle na cidade e na estrada que leva para o oeste. Os veículos eram vasculhados em busca de armas. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.