Rebeldes líbios caçam colaboradores de Kadafi a oeste de Benghazi

Nos dois maiores hospitais de Benghazi, Jalal e Hawari, as histórias da guerra são terríveis

Lourival Sant'Anna, enviado especial de O Estado de S. Paulo,

20 de março de 2011 | 11h19

Rebeldes comemoram captura de tanque em Benghazi. Anja Niedringhaus/AP

Atualizada às 15h52

 

BENGHAZI - As tropas rebeldes avançaram neste domingo, 20, rumo ao oeste da cidade de Benghazi após os bombardeios de caças franceses terem atingido ontem tanques e veículos militares leais ao ditador líbio, Muamar Kadafi, que cercavam a cidade.  Membros das Lejan Thowri - as "legiões revolucionárias" de Kadafi - e os combatentes rebeldes continuam a se enfrentar em Benghazi. Há estrondos pela cidade, aparentemente de mísseis disparados pela coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Itália e Canadá.

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

Os dissidentes buscam células adormecidas leais a Kadafi, que semearam o pânico ontem na cidade disparando fuzis e jogando granadas aleatoriamente. Os rebeldes não estão fazendo prisioneiros. Estão executando-os. Na Corte de Justiça, quartel-general dos rebeldes, foi afixada uma lista com os nomes dos 7.200 integrantes. Agora estão sendo caçados na cidade e executados.

 

A tragédia da guerra

 

Nos dois maiores hospitais de Benghazi, Jalal e Hawari, as histórias da guerra são terríveis. Uma ambulância do Hawari foi chamada. Quando chegou, foi atacada. Era uma emboscada. Um auxiliar da ambulância estava sendo operado para a retirada da bala de fuzil do peito. Outra ambulância foi sequestrada e usada por membros das kataeb - as brigadas de Kadafi - que abriam fogo aleatoriamente.

 

Um menino de cinco anos e sua mãe, que foram alvejados a tiros de fuzil por membros das kataebi quando saíam de casa para tentar fugir de Benghazi, também estavam sendo atendidos no hospital. O pai morreu ontem. A mãe levou um tiro na cabeça e não deve resistir, mas respirava. O menino sofreu um tiro no peito, mas vai resistir. Gemia de dor.

 

No Hospital Jalal chegaram os corpos de 15 combatentes pró-Kadafi - e partes de outros impossíveis de contar -, atingidos por mísseis disparados por aviões franceses. Pelo menos 7 deles eram negros subsaarianos. É mais uma confirmação do uso de mercenários africanos por Kadafi.

 

Resolução da ONU

 

Uma coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Itália e Canadá deu início no sábado, 19, a uma intervenção militar no país, sob mandado da resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A medida prevê a criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia e a tomada de 'quaisquer medidas necessárias' para impedir o massacre de civis pelas tropas de Kadafi.

Leia ainda:

linkEUA: Zona de exclusão aérea já funciona na Líbia

linkTropas de Kadafi invadem cidade rebelde Misrata

linkRússia diz que 48 civis morreram e pede ataques restritos

linkCoalizão volta a atacar forças de Kadafi

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.