Rebeldes líbios lançam ofensiva a sudoeste de Trípoli

Cidade de Al-Qawalish, a 50 km da capital, já teria sido tomada pelos rebeldes

Reuters

06 de julho de 2011 | 10h53

AL-QALAA - Centenas de rebeldes líbios iniciaram nesta quarta-feira, 6, uma ofensiva nas montanhas a sudoeste de Trípoli, com a intenção de capturar uma aldeia controlada pelas forças de Muamar Kadafi e de levar a frente de batalha para mais perto da capital. Segundo a AFP, os rebeldes já conseguiram tomar a cidade de Al-Qawalish, a apenas 50 km da capital.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

Os rebeldes chegaram à frente de combate ao amanhecer a bordo de "inúmeras picapes". Muitos deles traziam armas antitanque de grosso calibre e lançadores de foguetes artesanais nas caçambas. Vários tanques também vinham sobre caminhões.

 

Os combatentes logo começaram a disparar foguetes e morteiros, e a cada estampido seus gritos de "Allah hu akbar!" ("Deus é grande!") ecoavam pelas plantações de oliveiras, amendoeiras e figueiras.

 

As forças de Kadafi reagiram com salvas esporádicas de foguetes táticos Grad. Nuvens de fumaça preta erguiam-se das encostas nos pontos atingidos pelos disparos.

 

Depois de cinco meses de rebelião, os rebeldes pouco conseguiram avançar em outras partes do país, mas obtiveram um sólido progresso no planalto que se estende por centenas de quilômetros Líbia adentro, a partir da fronteira com a Tunísia, e de onde se vê a planície litorânea que chega até Trípoli.

 

O objetivo dos rebeldes na quarta-feira é avançar dez quilômetros, da localidade de Al-Qalaa até a aldeia de Al-Qawalish, que está sob controle das forças governistas.

 

Os combatentes na verdade avançam para sudeste, no sentido contrário da capital, mas controlar Al-Qawalish é estrategicamente importante porque depois dela, mais a leste, fica a cidade de Garyan, junto à rodovia que segue para o norte até Trípoli.

 

Ao longo da manhã, os rebeldes avançaram a pé por um terreno acidentado - ora baldio, ora cultivado - na direção de Al-Qawalish, portando seus velhos rifles e os lançadores de foguetes improvisados.

 

Nas encostas, reverberavam os gritos, em forma de chamado e resposta, da frase "Não há Deus senão Deus!."

 

Após várias horas, os rebeldes haviam avançado um par de quilômetros na direção de Al-Qawalish, e não havia sinais de baixas.

 

Aviões da Otan podiam ser ouvidos no céu, mas não foi possível confirmar se a aviação ocidental estava em coordenação com os rebeldes.

 

Atualizado às 16h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.