Rebeldes líbios prometem eleger Conselho em 8 meses

Eleições presidenciais e legislativas devem ocorrer apenas no início de 2013

AE, Agência Estado

02 Setembro 2011 | 08h52

LONDRES - Um conselho encarregado de redigir uma Constituição para a Líbia deve ser eleito dentro de oito meses, afirmou um membro da liderança rebelde nesta sexta-feira. Posteriormente, serão realizadas eleições presidenciais e legislativas no início de 2013, segundo a liderança do Conselho Nacional de Transição (CNT).

 

Veja também:

blog TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

forum OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

"Nós estabelecemos um plano claro, um período de transição de cerca de 20 meses", afirmou Guma al-Gamaty, representante do CNT na Grã-Bretanha, em entrevista à rádio BBC. Segundo ele, o processo de transição já está em andamento e o CNT deve se mudar para Trípoli em alguns dias.

Nos primeiros oito meses, o CNT liderará a Líbia. Posteriormente, um conselho de cerca de 200 pessoas deve ser eleito diretamente com essa tarefa, segundo Gamaty.

"Este conselho...irá assumir e monitorar a redação de uma Constituição democrática, que deve ser debatida e então levada a referendo", afirmou ele. Após um ano com o conselho à frente do país, devem ser realizadas eleições parlamentares e presidenciais.

"E então, se tudo der certo, ao final de cerca de 20 meses o povo líbio terá eleito os líderes que deseja para comandar o país", afirmou Gamaty.

Também nesta sexta-feira, os novos líderes da Líbia pediram a combatentes de fora de Trípoli que deixem a capital e voltem para suas casas, informou o ministro interino do Interior, Ahmed Darrad, em entrevista à France Presse. "Trípoli está libertada e todos devem deixar esta cidade e voltar para suas próprias casas", disse ele.

 

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Líbia política

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.