Rebeldes nigerianos atacam oleodutos da Shell e lançam desafio

Um grupo rebelde da região petrolíferanigeriana do delta do rio Niger anunciou ter atacado doisgrandes oleodutos na região na segunda-feira, qualificando oataque como mensagem aos Estados Unidos para que parem deapoiar a "injustiça" na região. Um ataque semelhante a um oleoduto na última quinta-feiraobrigou a Royal Dutch Shell a suspender a produção de 169 milbarris diários de óleo Bonny Light e a reduzir as exportaçõesde Bonny Light em abril e maio por motivo de força maior. Em e-mail enviado à Reuters, uma facção do Movimento pelaEmancipação do Delta do Niger (MEND na sigla em inglês) disseque seus soldados atacaram na segunda dois outros oleodutossituados no rio Isaka e no rio Abonnema. "Os ataques de hoje desmentem a falsa impressão de que apaz e a segurança foram restauradas, difundida para conquistara confiança de potenciais investidores no setor de petróleo egás", disse a MEND. A organização disse que os oleodutos atacados nasegunda-feira podem pertencer à Shell e à norte-americanaChevron, mas a notícia não foi confirmada de imediato pelasempresas mencionadas ou por fontes independentes. Dirigindo-se ao presidente norte-americano, George W. Bush,o grupo rebelde disse que os ataques são "nossa maneira de daras boas-vindas" ao navio de guerra Swift, que visita o Golfo daGuiné para realizar treinamentos com a Marinha nigeriana. "Sr. presidente, seus navios de guerra não nos intimidam.Pelo contrário, apenas fortalecem nossa determinação emcombater os Golias do mundo que apóiam a injustiça", disse ocomunicado do MEND. A Nigéria é o quinto maior fornecedor de petróleo aos EUA,que cultivam boas relações com o governo do presidente UmaruYar'Adua. (Por Tume Ahema)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.