Rebeldes no Chade dizem ter capturado povoado de Adre

Grupo armado rompe trégua, invade a capital e cerca a presidência em tentativa de derrubar o governo

Agência internacionais

03 de fevereiro de 2008 | 17h20

Rebeldes do Chade afirmaram neste domingo,3, que encurralaram soldados do governo em combates no povoado de Adre - na fronteira com Darfur, no Sudão, outra região devastada pela guerra - onde mais de 400 mil pessoas estão refugiadas.   Veja Também:   Fotos no Chade   Rebeldes rompem trégua e recomeçam combates do Chade   O porta-voz rebelde Abderaman Koulamala afirmou que não tinha mais informações sobre os soldados do governo, já que havia passado todo o dia em combates em N'Djamena, a capital do Chad. Pelo segundo dia, os rebeldes travam uma batalha para tirar o presidente Idriss Deby do poder.   Os combates registrados nas últimas horas em N'djamena se afastaram do palácio presidencial, em um momento no qual as tropas rebeldes começam a ser rechaçadas no Chade, informou neste domingo,3, a cadeia catariana "Al-Jazeera". Segundo a France Presse, os combates deixaram centenas de feridos e mortes, a maioria civis vítimas de balas perdidas.     O chefe de Estado chadiano, Idriss Déby, resiste à ofensiva rebelde, segundo informações da emissora..A França se dispôs a tirar Deby do país, mas o presidente rejeitou a oferta. De acordo com o ministro da Defesa francês, Hervé Morin, o chefe do Exército chadiano, Daoud Soumain, foi morto nos confrontos.   A rede disse que os tiroteios ocorrem em uma zona mais afastada do palácio presidencial, que esta manhã era o principal local de combates.   Rebeldes chadianos que tentam derrubar o presidente invadiram no sábado a capital após mais de três horas de confronto com o Exército do país. A rede de TV Al-Jazeera, um dos poucos veículos de comunicação com correspondente na capital chadiana, informou que os combates entre os rebeldes e as forças militares deixaram vários mortos nas imediações do palácio, mas destacou que, como a rádio oficial do país interrompeu suas transmissões na manhã de sábado, não havia nenhuma informação oficial que confirmasse o número de mortos e feridos.   A área que rodeia o palácio presidencial está sendo patrulhada por tropas do Exército, apoiadas por helicópteros. Também está sobrevoando a zona, pela primeira vez, um helicóptero do contingente francês destacado no Chade.   A maioria dos estrangeiros que se encontrava em um hotel do centro do N'djamena já abandonou o local, depois que as tropas francesas fizeram um grande desdobramento na área, no qual inclusive utilizaram unidades blindadas.   Os últimos relatórios indicavam que o presidente chadiano, Idriss Deby, se mantinha dentro do palácio presidencial, à frente da resistência contra os rebeldes, que na segunda-feira passada lançaram uma ofensiva partindo do leste do país e no sábado, chegaram a N'djamena.

Tudo o que sabemos sobre:
Chade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.