Rebeldes pedem envio de tropas estrangeiras para Líbia

Líderes de Misrata, cidade controlada pela oposição, dizem que morrerão se ONU e Otan não agirem

Agência Estado

19 de abril de 2011 | 16h35

MISRATA - A liderança da cidade líbia de Misrata, tomada pelos rebeldes, pediu uma intervenção urgente de tropas estrangeiras em campo para proteger seus quase 500 mil habitantes. Trata-se do primeiro pedido desse tipo desde o início dos levantes, em 17 de fevereiro.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

"Estamos pedindo às forças estrangeiras que protejam nossos cidadãos imediatamente", disse na segunda-feira, 18, Nouri Abdallah Abdel Ati, integrante do comitê de liderança de Misrata, formado por 17 pessoas. "Nós queremos que a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em solo. Esta não é uma ocupação ou colonialismo ocidental. Isto é necessário para proteger nosso povo", comentou.

 

 

Enquanto ele falava, o som de fortes ataques com bombas e metralhadoras de grande calibre era ouvido continuamente. Cada explosão chacoalhava as janelas atrás de Abdel Ati. "Se eles não vierem, nós vamos morrer", disse. "Foguetes Grad não deixam ninguém vivo".

 

 

O pedido urgente para o envio de forças protetoras estrangeiras representa uma quebra da política oficial dos rebeldes - cujo governo provisório está sediado em Benghazi - de rejeitar a presença de tropas estrangeiras em solo líbio. O porta-voz rebelde em Benghazi não pôde ser contatado para comentar o assunto. A Otan, porém, esclareceu que não pode interromper os bombardeios de Kadafi a Misrata por questões técnicas.

 

A situação humanitária em Misrata piora a cada dia. A cidade está cercada por todos os lados por forças do coronel Muamar Kadafi, que realizam ataques diários com foguetes, bombas de artilharia e bombas de fragmentação. A única ligação da cidade com o exterior é o porto, mas ele está recebendo poucos suprimentos. Funcionários do setor de saúde disseram que entre 600 e 700 pessoas morreram desde o início do levante e milhares estão feridas, números que sobem diariamente.

 

Abdel Ati disse que o conselho de governo local de Misurata expediu, uma semana atrás, um pedido formal para o envio de tropas estrangeiras à liderança em Benghazi, mas ainda não recebeu uma resposta. Ele disse que a liderança de Misurata havia concordado, no início, com a rejeição da entrada de tropas estrangeiras em território líbio, mas mudou de opinião na medida em que os ataques de Kadafi contra a cidade se tornaram mais violentos.

 

"Enquanto enfrentamos as forças de Kadafi pedimos, com base nos princípios humanitários e islâmicos, pedimos que alguém venha a nós e interrompa a matança", disse o líder insurgente. "Precisamos de sua ajuda para construir um país democrático". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.