Rebeldes planejam nova ofensiva contra Kadafi em Trípoli

Ataque ocorrerá antes do fim de agosto e partirá do oeste da Líbia, diz comandante

Associated Press

04 de agosto de 2011 | 20h31

ZINTAN - Os rebeldes da Líbia estão se preparando para lançar uma nova grande ofensiva contra a capital do país, Trípoli, na esperança de capturar o ditador Muamar Kadafi ainda antes do fim do mês sagrado do islã, o ramadã, disse nesta quinta-feira, 4, um comandante dos insurgentes. O ramadã termina no final de agosto.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia 

 

 

Os rebeldes da zona montanhosa de Nafusa, no ocidente da Líbia, estão recebendo reforços, incluindo voluntários que chegam de zonas ainda sob controle de Kadafi, informou o comandante Muktar al-Akhdar. As informações foram passadas pelo militar depois de uma reunião de estratégia entre líderes de unidades da milícia rebelde no povoado de Zintan, base regional dos insurgentes.

 

 

Sem avançar pelo lado leste há meses, os rebeldes acreditam que investir contra a capital a partir das montanhas de Nafusa seja a melhor opção. Al-akhdar, porém, afirmou que há obstáculos que impedem o progresso, como a existência de minas terrestres espalhadas pelas tropas de Kadafi na região e a escassez de combustível. O comandante ainda alertou para o risco de soldados leais ao coronel se infiltrarem em suas fileiras.

 

Os rebeldes iniciaram a revolta contra o governo autocrático de Kadafi em fevereiro e, devido às batalhas, a Líbia mergulhou em uma verdadeira guerra civil. O ditador controla a capital e algumas cidades próximas, enquanto os insurgentes estão em poder da região oeste - onde estabeleceram Benghazi como sua base - e alguns locais no leste, como o município estratégico de Misrata.

 

A Organização das Nações Unidas (ONU) autorizou uma intervenção militar aérea para proteger os civis líbios das tropas de Kadafi pouco depois de a revolta estourar. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) está à frente das operações e frequentemente ataca alvos estratégicos do ditador, que se recusa a negociar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.