Rebeldes prometem normalizar situação de Trípoli

Em entrevista, Conselho Nacional de Transição afirma que vai retomar fornecimento de eletricidade e água.

BBC Brasil, BBC

27 de agosto de 2011 | 14h06

Líderes do Conselho Nacional de Transição líbio (CNT) anunciaram neste sábado medidas para enfrentar a falta de água, combustíveis e remédios em Trípoli.

Em uma entrevista, a primeira do CNT na capital desde o início dos confrontos há seis meses, Mahmoud Shamman prometeu que o diesel necessário para retomar o fornecimento de eletricidade e água na capital da Líbia deve chegar no domingo e eles pretendem conseguir trazer suprimentos pelo mar.

"Temos 30 mil toneladas de gasolina. Vamos começar a distribuir para o público a partir de hoje (sábado). Temos diesel que chegará amanhã (domingo), para abastecer as estações geradoras de eletricidade", afirmou.

"E, dentro de dois dias, também vamos fornecer gás de cozinha", acrescentou.

Mas, ele afirmou que os moradores da cidade não devem esperar milagres.

"Trípoli estava sob o controle de uma ditadura de 42 anos. Estamos começando do zero. Não peçam por milagres, mas prometemos tentar fazer com que este período difícil seja o mais curto possível", disse.

Aref Ali Nayed, diretor de operações da Equipe de Estabilização do CNT disse à BBC que "várias equipes" estão trabalhando o tempo todo para resolver o problema da falta de água.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu o envio urgente de ajuda humanitária para o país e também para a comunidade internacional ajudar a restaurar a ordem na Líbia.

Ban Ki-moon afirmou que milhões de pessoas dentro e fora de Trípoli estão ameaçadas devido à falta de água.

Nova fase

Segundo o correspondente da BBC em Trípoli Wyre Davies, a batalha pela capital líbia parece estar quase encerrada e, para muitos, isto é motivo para comemoração. Mas, a maior crise atualmente em Trípoli é a falta de bens e serviços básicos.

A cidade de quase 2 milhões de habitantes sofre com a falta de água e quase não há fornecimento de energia elétrica ou saneamento básico. O fornecimento de água, que geralmente vem de aquíferos no deserto, foi interrompido pelos combates e sua retomada deve levar algum tempo.

O correspondente da BBC afirma que a maioria dos moradores de Trípoli vai tolerar por algum tempo a falta de água e eletricidade, pois todos estão felizes pelo fim do regime de Muamar Khadafi.

No entanto, o paradeiro de Khadafi continua desconhecido. Líderes rebeldes acreditam que Khadafi ainda possa estar escondido em algum lugar próximo de Trípoli.

Um porta-voz dos rebeldes disse à BBC que Khadafi não deve estar em sua cidade natal, Sirte, onde as forças leais ao líder líbio ainda resistem.

O porta-voz afirmou que é possível que a esposa, filha e outros aliados de Khadafi já tenham fugido para a Argélia em um comboio de carros blindados. O governo argelino, por sua vez, nega categoricamente a entrada da família e aliados de Khadafi no país.

Durante a noite, aeronaves da Otan bombardearam Trípoli e Sirte.

Mesmo assim, o avanço rebelde para a cidade natal de Khadafi, que fica no sul do país, parece paralisado.

O correspondente da BBC na região Paul Wood, afirmou que ocorreram confrontos entre rebeldes e forças leais a Khadafi. E, segundo Wood, os rebeldes precisam tomar o controle de Sirte, caso contrário, a Líbia permanecerá dividida em dois países.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.