Rebeldes promovem explosões e matam 13 no leste da Índia

Possíveis rebeldes maoístas explodiram duas bombas neste sábado no Estado indiano de Chhattisgarh, leste do país, matando 13 pessoas, a maioria soldados paramilitares e autoridades responsáveis pelas eleições na região.

Reuters

12 de abril de 2014 | 13h08

Os ataques ocorreram com uma diferença de meia hora entre um e outro e se configuraram no maior ato de violência desde o início da votação para a eleição de um novo governo federal, há uma semana. O pleito durará seis semanas, para dar tempo que as forças de segurança se movimentem dentro do país.

A primeira explosão ocorreu em um ônibus em Bijapur. O veículo levava autoridades eleitorais que voltavam para as suas casas após a eleição. Sete pessoas morreram.

Uma segunda bomba atingiu uma ambulância na região florestal de Bastar, matando cinco membros da Força Central da Reserva da Polícia e o motorista, afirmou R.K.Vij, chefe das operações antimaoístas.

Não ficou claro se os soldados estavam viajando na ambulância, mas no passado autoridades do governo usaram tais veículos para evitar ataques dos maoístas.

Os rebeldes operam há décadas em uma grande região do centro e do leste da Índia, e ganharam força recentemente em locais onde aledões pobres entraram em conflito com mineradoras que buscam recursos para a indústria.

Os maoístas buscam a queda violenta do Estado indiano, acusando-o inicialmente de tomar as terras de camponeses e agora de roubar a riqueza mineral de Estados como Chhattisgarh.

(Por Jatindra Dash e Aditi Shah)

Tudo o que sabemos sobre:
INDIAELEICOESATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.